Dólar cai 0,87% no dia com "efeito China" e acumula perda de 3,63% na semana

Dólar cai 0,87% no dia com "efeito China" e acumula perda de 3,63% na semana

Moeda norte-americana encerrou cotada a R$ 4,87 nesta sexta-feira

AE

A divisa encerra a semana com perdas 3,63%

publicidade

O anúncio de estímulos monetários na China, que dá novo alento às perspectivas para os preços das commodities, fez com que o real e seus pares emergentes se livrassem da onda global de aversão ao risco detonada por temores de recessão nos EUA. Apesar da alta da moeda norte-americana frente a divisas fortes e do tombo das taxas dos Treasuries, principal sintoma do movimento de "fuga para qualidade", o dólar se manteve em baixa por aqui. Operadores voltaram a relatar entrada de capital externo para a bolsa doméstica, com investidores em busca ativos ligados a commodities, e desmonte de posições defensivas no mercado futuro.

Afora uma alta pontual na primeira hora de negócios, o dólar trabalhou em baixa firme durante todo o pregão e renovou mínimas no início da tarde, descendo até R$ 4,8540 (-1,28%). Com a piora do sentimento externo, diminuiu parte das perdas e terminou a sessão em queda de 0,87%, a R$ 4,8740 - abaixo de R$ 4,90 desde 25 de abril e no menor nível desde o dia 22. A divisa encerra a semana com perdas 3,63% e passa a acumular desvalorização de 1,39% em maio. No ano, a baixa é de 12,59%.

O mercado já abriu assimilando a decisão, na quinta à noite (horário de Brasília), do Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) de cortar a taxa de referencia para empréstimos de longo prazo de 4,60% para 4,45%. Já a taxa de empréstimos de um ano permaneceu em 3,70%. Autoridades chinesas tentam evitar a desaceleração da economia e um tombo agudo do setor imobiliário, em meio a restrições impostas pela política de 'covid zero'. Em Cingapura, o minério de ferro com entrega para junho fechou em alta de 5,96%, a US$ 134,05 a tonelada.

"Ao contrário dos Bancos Centrais do mundo, que vem subindo taxa de juros, a China cortou suas taxas para dar mais força à economia. Isso gera expectativa de aumento de consumo de commodities e traz um clima mais positivo para o Brasil, hoje mais sensível a mudanças na China do que no mercado americano", afirma o economista-chefe da Frente Corretora, Fabrizio Velloni.

No exterior, após a correção de baixa na quinta com reação do euro, o índice DXY - que mede o desempenho do dólar frente a uma cesta de seis divisas fortes - operou em alta firme durante o dia e voltou a superar os 103,000 pontos, atingindo 103,237 pontos na máxima. A taxa da T-note de 10 anos, principal ativo do mundo, rompeu o piso de 2,80%, em meio à forte demanda por títulos americanos.

Analistas afirmam que ainda há muitas dúvidas sobre a extensão do aperto das condições financeiras nos EUA e suas consequências para a atividade econômica, o que deixa os investidores na defensiva. Além da alta de juros nos EUA e da redução do balanço patrimonial do Federal Reserve, que significa retirada de liquidez do sistema, há a sensação de diminuição de riqueza provocada pela queda das Bolsas americanas. Isso tudo joga uma sombra sobre a capacidade de consumo nos EUA, apesar do mercado de trabalho apertado.

O presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, tido com um dos falcões do BC americano, afirmou nesta sexta que considera adequado manter o ritmo atual de aumento da taxa de juros em 50 pontos-base por reunião de política monetária da instituição.

Segundo Bullard, a taxa básica, hoje na faixa entre 0,75% e 1%, deveria subir para 3,5% até o fim do ano. Mesmo com o aperto monetário, o dirigente não vê recessão nos Estados Unidos neste ano ou em 2023 e prevê que a taxa de desemprego possa ficar até abaixo de 3%. Mais: Bullard afirmou que, caso a inflação seja controlada, será possível cortar os juros no ano que vem ou em 2024.

O especialista Nicolas Farto, da Renova Invest, classifica a baixa do dólar nesta sexta em relação ao real e a outras divisas emergentes como um movimento pontual ancorado nos estímulos monetários na China. "Mas as flexibilizações das políticas sanitárias chinesas ainda não são tem intensas. Isso pode acabar se refletindo nos próximos dias", diz Farto, ressaltando que, com a perspectiva de alta de juros nos EUA, a tendência é de fortalecimento global da moeda americana. "Esse movimento de valorização do dólar pode ser menos amplo no Brasil, porque somos exportadores de commodities e isso atrai investidores. Mas o viés ainda é de alta", afirma.

Na mesma linha, Velloni, da Frente Corretora, ainda vê o dólar para cima até o fim deste ano. Além da alta de juros nos EUA, há a incerteza provocada pelas eleições presidenciais, sobretudo em relação à política fiscal. "Os gastos públicos ainda são uma grande incógnita. Pode ser que o dólar não chegue ao patamar de R$ 5,20, mas a tendência ainda é de alta em relação ao patamar de hoje", diz o economista.

Taxas de juros

Os juros futuros encerraram a semana em queda, refletindo o efeito positivo do corte de juros anunciado pelo Banco da China e o recuo nos rendimentos dos Treasuries. O impacto da medida da China amparou também a alta de commodities como minério e petróleo, favorecendo ativos de países exportadores como o Brasil, mas como o dólar teve baixa consistente, neutralizou qualquer impacto negativo das matérias-primas sobre a curva.

Outro vetor baixista, principalmente nas taxas de inflação implícitas, vem da proposta do governo de unificar a alíquota de ICMS em 17% para energia, combustíveis, telecomunicações e transportes, pelo expressivo potencial de alívio na inflação. Na semana, o saldo é de desinclinação para a curva.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou a etapa regular em 13,27%, de 13,284% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2024, em 12,79%, de 12,871%. O DI para janeiro de 2025 encerrou com taxa de 12,09%, de 12,219%.

A autoridade monetária do país asiático reduziu a taxa de referência a empréstimos de longo prazo de 4,6% para 4,45%, alimentando o apetite pelo risco logo na abertura. Como destaca a Tendências Consultoria, a decisão reforça a aposta em políticas estimulativas para apoiar a economia, em especial o setor imobiliário, muito afetada pelas medidas de restrição implementadas após o aumento de casos de covid.

"A China tem forte efeito sobre o câmbio e traz atratividade de fluxos para a Bolsa e renda fixa", comentou o economista-chefe da Western Asset, Adauto Lima.

Ele lembra ainda que a curva americana está fechando bastante, como reflexo do risco de recessão. "Mal começou o aperto do Fed e já temos a curva quase <i>flattening</i> nas taxas de 10 e 2 anos", observou. O diferencial entre os yields das T-Notes de 10 e 2 anos que era de 33 pontos-base no começo de maio já está por volta de 20 pontos. O movimento é puxado principalmente pelo papel de 10 anos, que vem se afastando paulatinamente dos 3%, nesta sexta marcando 2,78% no fim da tarde.

Por aqui, o mercado tenta se antecipar ao impacto favorável para a queda da inflação se aprovado o projeto de lei complementar que estabelece um teto de 17% para o ICMS sobre energia, combustíveis e telecomunicações. O potencial é estimado pela ASA Investments em até 1,2 ponto porcentual no IPCA de 2022, mas o BTG calcula que pode chegar a 1,39 ponto. Tais perspectivas vêm empurrando para baixo as taxas de inflação implícitas via NTN-B e contratos DAP (futuro de Cupom de IPCA - derivativo usado para precificação do IPCA) nos últimos dias. Na quinta, a implícita da NTN-B 2023, que indica a expectativa de inflação para 2022, caiu de 7,65% para 7,22%.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), quer votar o projeto na terça-feira, mas as perdas de arrecadação, que podem chegar a R$ 70 bilhões, aos entes regionais devem gerar uma queda de braço entre governadores, prefeitos e o governo federal. "O projeto é problemático e os governadores vão judicializar, mas acredito que algum tipo de intervenção em preços vá sair", disse Lima.

Bolsa

Em semana ruim para os índices de Nova York, que acumularam perdas de 2,90% (Dow Jones) a 3,82% (Nasdaq) no intervalo, o Ibovespa conseguiu se desconectar da correção vista por lá e sustentou a segunda semana de recuperação, em alta de 1,46% no período, vindo de ganho de 1,70% na anterior. Nesta sexta-feira, avançou 1,39%, a 108.487,88 pontos, entre mínima de 107.056,05, da abertura, e máxima de 108.794,63 pontos, com giro a R$ 31,1 bilhões em sessão de vencimento de opções sobre ações. Foi também o segundo dia de recuperação para o Ibovespa, após ganho de 0,71% da quinta-feira e queda de 2,34% na quarta-feira. No mês, volta a subir (+0,57%) e, no ano, avança 3,50%.

Em Nova York, ainda predominam os receios quanto ao comportamento da inflação nos Estados Unidos e o grau de atuação do Federal Reserve para impedir que os preços fujam ao controle. Assim, tanto o S&P 500, durante a sessão mas não no fechamento, quanto o Nasdaq, que já estava na condição, tocam o 'bear market', definido como uma queda de ao menos 20% em relação ao pico mais recente - no caso do índice amplo, referente a 4 de janeiro. Nesta sexta, Dow Jones e S&P 500 tiveram leve reação perto do fim da sessão (+0,03% e +0,01%, respectivamente), enquanto o Nasdaq fechou em baixa de 0,30% nesta sexta-feira.

"No início do ano, ninguém pensava que o S&P 500 estava indo para o território do 'bear market', mas a inflação persistente, outro erro de política do Fed e os temores de recessão deixaram os investidores nervosos", observa em nota Edward Moya, analista de mercado da OANDA em Nova York. Segundo ele, a cautela entre os investidores tende a permanecer, e as vendas de ações a se acentuar, até que o Fed comece a mostrar sinais de que está preocupado com as condições financeiras e que pode parar de apertar (a política monetária) de forma tão "agressiva".

Ainda assim, a B3 conseguiu se manter a alguma distância da aversão a risco nas últimas duas sessões. "Ontem o Ibovespa já havia conseguido se descolar, com avanço das commodities, o que ajuda Brasil. As notícias que chegam da China são de redução de lockdown, das restrições, com portos sendo reabertos e o de Xangai praticamente funcionando a plena carga, o que já havia ajudado ontem Petrobras, Vale e siderúrgicas na Bolsa", diz Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master.

Nesta sexta, Petrobras (PN +1,93%, na máxima do dia no fechamento; ON +1,40%), Vale (ON +1,77%) e siderurgia (CSN ON +4,97%) contaram também com a retomada vista em bancos (BB ON +3,64%, Bradesco ON +1,94%) para empurrar o índice.

"Entre os bancos, destaque para o Banco do Brasil, que em um dia de alta expressiva renovou a máxima do ano e fechou a semana (+5,38%) com valorização superior a 11% (no mês). Os números robustos apresentados na última semana foram bem recebidos pelo mercado, aumentando a demanda pelos papéis" da instituição, aponta Leandro De Checchi, analista da Clear Corretora.

Contribuindo para o avanço do Ibovespa na sessão, o câmbio deu prosseguimento ao ajuste do dia anterior, que colocou o dólar spot a R$ 4,8740 (-0,87%) no fechamento da sessão e a R$ 4,8540 na mínima do dia, em que surfou a onda de apreciação das moedas de emergentes, em especial as dos exportadores de commodities, após o corte de juros promovido pelo BC da China. O dia foi moderadamente positivo para o petróleo, com o Brent negociado na casa de US$ 112 por barril.

A China manteve a taxa de empréstimo de um ano em 3,7%, mas reduziu a taxa básica de empréstimo de cinco anos (LPR) em 15 pontos-base, o segundo corte deste ano, aponta em nota a Nova Futura Investimentos. "Apesar de ser algo esperado, ajudou a criar perspectivas positivas quanto a medidas expansionistas por parte da autoridade monetária chinesa", acrescenta a casa, destacando também a alta do minério de ferro em Dalian (+5,31%), a US$ 126,21 por tonelada.

A ponta do Ibovespa nesta sexta-feira ficou com IRB (+6,56%), Ecorodovias (+5,48%) e Hypera (+4,98%) - com CSN ON (+4,97%) e CSN Mineração (+3,60%) também entre as maiores altas pelo segundo dia, ainda beneficiadas pelo anúncio sobre recompra de ações. No lado oposto, Méliuz (-5,34%), Petz (-5,17%) e Banco Pan (-3,64%).

 

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895