capa

FMI aprova novo desembolso para Argentina

Serão liberados US$ 5,4 bilhões, parte do crédito para estabilizar a economia do país

Por
AFP

Argentina cumpriu meta estabelecida pelo FMI para o primeiro semestre

publicidade

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alcançou, nesta sexta-feira (5), um acordo com a Argentina que libera um desembolso de US$ 5,4 bilhões, parte do crédito para estabilizar a economia do país. "As autoridades concluíram todos seus objetivos fiscais, monetários e de gasto social no âmbito do programa respaldado pelo FMI no contexto desta revisão", disse o diretor-gerente interino do Fundo, David Lipton, em um comunicado. Antes de Buenos Aires ter acesso a esta parcela do crédito, o acordo precisa ser aprovado pela direção do FMI, informou o organismo. 

A Argentina entrou em recessão em 2018, após duas corridas cambiais que desataram a inflação e levaram o governo de Mauricio Macri a pactuar um plano com o FMI que, a princípio, foi de US$ 50 bilhões, mas depois foi ampliado em mais US$ 6 bilhões. Em troca, a Argentina se comprometeu a conseguir equilíbrio fiscal em 2019, e superávit, em 2020, com um duro plano de ajuste.

O Fundo elogiou o país "por seus esforços contínuos e pela implementação firme de seu programa de política econômica" e disse que elas "estão dando resultado". "Os mercados financeiros se estabilizaram em maio e junho. Espera-se que a inflação, embora continue em níveis altos, continue a cair nos próximos meses", garantiu Lipton.

Em 2018, a inflação foi de 47,6%, e de janeiro a maio somava 19%. O FMI projeta para este ano que a recessão se mantenha, com uma retração do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,2%. Neste contexto, Macri enfrenta cada vez mais pressão para melhorar a economia diante das eleições presidenciais de outubro.