Governo envia projeto de diretrizes orçamentárias com mínimo de R$ 1.389 em 2024

Governo envia projeto de diretrizes orçamentárias com mínimo de R$ 1.389 em 2024

Aumento previsto pelo governo é de quase 7% em relação ao piso atual

R7

Congresso tem outros temas importantes a serem discutidos esta semana

publicidade

O governo federal enviou ao Congresso Nacional nesta sexta-feira (14) o projeto da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) para o ano de 2024. No documento, o Executivo propõe um salário mínimo de R$ 1.389 para o ano que vem, um aumento de quase 7% em relação ao salário mínimo atual, de R$ R$ 1.302,00.

Tramitação do projeto

O governo estima projeção de crescimento de 2,34% do PIB (Produto Interno Bruto). A estimativa converge com a visão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre o crescimento do país. Ele tem afirmado que não concorda com as avaliações negativas sobre o tema e disse, no início do mês, estar convencido de que "o país vai dar um salto de qualidade".

A tramitação regular do projeto começa na Comissão Mista de Orçamento (CMO). É no colegiado que as emendas são apresentadas ao texto. No início da semana, o deputado federal Luiz Carlos Motta (PL-SP) foi escolhido relator da matéria.

Teto de gastos

O texto apresentado nesta sexta (14) segue as regras estabelecidas pelo teto de gastos em vigor, mas deve trazer projeções sobre o impacto do novo arcabouço fiscal (novas regras fiscais) nas contas públicas.

O novo arcabouço fiscal deve ser entregue ao Poder Legislativo na próxima semana, após o retorno do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, de viagem oficial à China. A proposta deve ser enviada como um projeto de lei complementar, que começa a tramitar na Câmara dos Deputados.

De acordo com o novo arcabouço, o governo vai poder ampliar os gastos públicos em até 70% do que for registrado de crescimento da receita. Ou seja, se for constatado que o Executivo aumentou a arrecadação tributária em R$ 200 bilhões em um espaço de 12 meses, o máximo que ele vai poder gastar com novas despesas no ano seguinte são R$ 140 bilhões.

Patamar de crescimento

Mas não será sempre que o governo terá o direito de assumir novos gastos nesse patamar de 70%. Segundo as regras do arcabouço fiscal, mesmo diante de uma situação bastante positiva para a economia, o Executivo só poderá ampliar as despesas até um patamar que represente crescimento real, isto é, acima da inflação.

Mesmo quando o governo federal não tiver saldo positivo, os gastos públicos deverão subir no mínimo 0,6%. Por outro lado, se a arrecadação exceder as expectativas do Executivo, as despesas poderão crescer até 2,5%. Gastos com saúde e educação, no entanto, não ficarão limitados a esse parâmetro.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895