Governo federal inclui estudos para Angra 3 e modernização de Angra 1 no novo PAC

Governo federal inclui estudos para Angra 3 e modernização de Angra 1 no novo PAC

Com obras paradas desde 2015, Angra 3 receberá "estudo de viabilidade técnica, econômica e socioambiental"

AE

publicidade

O governo federal incluiu a análise sobre as obras para conclusão da usina de Angra 3, localizada no Rio de Janeiro, no pacote do Novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Conforme antecipou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o portfólio do programa não prevê a conclusão do projeto, apenas a realização de "estudo de viabilidade técnica, econômica e socioambiental" das obras da usina, paradas desde 2015.

A princípio, havia a possibilidade de Angra 3 ficar de fora da lista. Contudo, conforme apurou a reportagem, a inclusão sobre a continuidade do projeto no Novo PAC foi defendida pelo ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, a partir de demandas da bancada do Rio de Janeiro no Congresso.

A Eletrobras trabalha com o cenário de execução e conclusão das obras da usina nuclear Angra 3, mesmo que o governo não incluísse o empreendimento no novo PAC, disse o diretor-presidente da companhia, Wilson Ferreira Júnior, durante teleconferência de resultados. "Por fazer parte do processo de capitalização, esperamos que seja continuado e concluído. Houve especulação e ela é sempre ruim", comentou o executivo.

O portfólio de projetos, divulgado na manhã desta sexta-feira pelo governo federal, inclui ainda a modernização da usina de Angra 1. Responsável pelo empreendimento, a Eletronuclear já solicitou a extensão da vida útil. A primeira usina nuclear brasileira entrou em operação comercial em 1985 e, portanto, os 40 anos de atividade se completam em 2024.

O setor elétrico aparece em dois dos nove eixos de atuação do novo PAC. As áreas que contemplam o MME lideram o maior número de recursos do programa: Cidades Sustentáveis e Resilientes, que abriga o Programa Minha Casa Minha Vida, com investimento total previsto de R$ 610 bilhões, e Transição e Segurança Energética, com R$ 540 bilhões de investimento total.

Segundo o Ministério de Minas e Energia (MME), a pasta tem 165 empreendimentos no programa, com um investimento total de R$ 592 bilhões. Além da inclusão das usinas nucleares, a lista ainda conta com iniciativas divididas nos subeixos de geração de energia, do Luz para Todos, transmissão de energia, eficiência energética, petróleo e gás, pesquisa mineral e combustíveis de baixo carbono.

Na transição energética, por exemplo, o governo federal anunciou que o programa terá foco em investimentos no pré-sal para expandir a capacidade de produção de derivados e de combustíveis de baixo carbono no Brasil. Além disso, trabalhará por meio do programa Luz para Todos, lançado na semana passada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Artista transforma hobby em negócio

Bruno Lorenz desenha imóveis de Porto Alegre e compartilha conhecimentos ensinando a técnica

Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895