IPCA tem deflação de 0,04%, menor resultado desde setembro de 1998, diz IBGE
capa

IPCA tem deflação de 0,04%, menor resultado desde setembro de 1998, diz IBGE

Diminuição dos preços de alimentos e bebidas puxou inflação para baixo

Por
Correio do Povo

Um dos principais vilões da cesta básica registrou deflação de 16,17%

publicidade

Em setembro, o Brasil registrou deflação de 0,04%, o menor resultado para o mês desde 1998, quando o índice ficou em -0,22%. A queda foi puxada, principalmente, pela redução de 0,43% nos preços dos alimentos e bebidas. Esse foi o segundo mês consecutivo de queda. Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta quarta-feira pelo IBGE. No acumulado do ano, o IPCA registrou 2,49% e, nos últimos 12 meses, ficou em 2,89%.

A alimentação fora de casa desacelerou de 0,53% em agosto para 0,04% em setembro, devido à variação de -0,04% no item refeição. Já a alimentação no domicílio teve queda de 0,70% nos preços, com destaque para o tomate que registrou redução de 16,17%. 

Além da diminuição do preço de um dos mais frequentes vilões da mesa dos brasileiros, a batata-inglesa também teve queda em seu valor, com 8,42% para baixo, assim como a cebola registrou -9,89%.

Artigos de residência e comunicação também tiveram deflação, de 0,76% e 0,01%, respectivamente. A queda nos preços de artigos de residência foi puxada pelos preços dos eletrodomésticos e equipamentos (-2,26%) e de TV, som e informática (-0,90%). Já saúde e cuidados pessoais pressionaram o resultado para cima, com alta de 0,58%.

O grupo habitação desacelerou de 1,19% em agosto para 0,02% em setembro. “A energia elétrica, que tem grande peso na habitação, tinha aumentado 3,85% em agosto, por causa da mudança da bandeira de amarela para vermelha patamar 1. Na passagem para setembro, os preços da energia elétrica permaneceram estáveis, ocasionando essa desaceleração”, comentou o gerente do IPCA, Pedro Kislanov.

O preço dos transportes ficou estável na passagem de agosto para setembro. Nesse grupo, os combustíveis subiram 0,12%, puxados pelas altas do etanol e do óleo diesel. Já a gasolina mostrou ligeira queda (-0,04%).