Levy sai e BNDES pode ter ênfase na privatização
capa

Levy sai e BNDES pode ter ênfase na privatização

Presidente do banco pediu demissão após conflito com Bolsonaro

Por
AE

Joaquim Levy é a primeira baixa da equipe econômica de Guedes

publicidade

A saída de Joaquim Levy da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), depois de ter sua "cabeça colocada a prêmio" pelo presidente Jair Bolsonaro, abre espaço para uma reformulação no papel do banco pela equipe econômica, que já pensa em concentrar a gestão das privatizações na instituição, destaca o jornal O Estado de S. Paulo. O governo ainda quer que a troca no comando do banco reforce o discurso de "despetização" do BNDES.

O novo presidente terá que colocar em prática a promessa de campanha de Bolsonaro de abrir o que chama de "caixa-preta" do banco e investigar a responsabilidade pelos financiamentos concedidos, nos governos do PT, a empreiteiras para obras no exterior, em países como Cuba e Venezuela.

Um dos nomes mais cotados para assumir a vaga é do secretário de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar. Dono da Localiza, Mattar foi chamado para tocar no governo o plano de privatizações - cuja meta é obter só neste ano 20 bilhões de dólares -, mas tem enfrentado resistência de outros ministros. Nas últimas semanas Mattar manteve conversas com Bolsonaro.

• Gestão de Levy no BNDES foi marcada por atritos com governo e funcionários

Levy informou na manhã deste domingo que entregou seu pedido de desligamento do cargo ao ministro da Economia, Paulo Guedes. Também são cotados para presidir o BNDES o ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco, que assumiu neste ano a presidência do conselho do banco, Carlos Thadeu de Freiras, ex-diretor da instituição, e Solange Vieira, funcionário de carreira do BNDES e atual presidente da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Segundo fontes da equipe econômica, com a redução do tamanho do banco na concessão de crédito, o BNDES perdeu a relevância que tinha em governos anteriores para o fomento da economia e, poderia assim, assumir também outras funções, como a de gerir privatizações. Além de ter de devolver R$ 126 bilhões neste ano, o banco também pode perder os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) pela proposta do relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

Alterações

O BNDES já tem papel auxiliar em privatizações do governo e foi, por exemplo, responsável por estruturar projetos de desestatização das distribuidoras do sistema Eletrobras. Para concentrar no banco todas as fases do processo de privatização e não apenas a estruturação de projetos, o governo precisaria de alterações legais, que teriam de ser aprovadas no Congresso.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que ficou "perplexo pela forma como o ministro tratou o Joaquim (Levy)". Para ele, o ex-ministro era um quadro de qualidade que ajudaria a garantir as reformas que o País precisa neste momento. No sábado, Bolsonaro disse estar "por aqui" com o economista e ameaçou demiti-lo caso ele não suspendesse a nomeação de Marcos Barbosa Pinto - que já tinha trabalhado no banco como assessor em 2005 e 2006, no governo PT - para a diretoria de Mercado de Capitais. Após as declarações, Pinto pediu demissão. 

Bolsonaro e alguns de seus aliados mais próximos nunca engoliram a nomeação de Levy. Ele foi secretário de Fazenda no governo de Sérgio Cabral (MDB-RJ) e ministro da Fazenda no primeiro ano do segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff. O economista também foi secretário do Tesouro no governo Luiz Inácio Lula da Silva e integrou a equipe econômica do governo Fernando Henrique Cardoso.

• Guedes brigou por Levy, mas depois não o queria mais à frente do BNDES

Além de não abrir a "caixa-preta" do BNDES e colocar resistência à devolução dos recursos aos cofres do Tesouro neste ano, Levy foi contrário a colocar em prática um plano de demissão voluntária para enxugar o tamanho do BNDES. Na avaliação de fontes da equipe econômica, foi "dominado" pelo "espírito corporativo" dos funcionários do banco. Ao pedir demissão neste domingo, em mensagem enviada a Guedes, o economista agradeceu a lealdade, dedicação e determinação de sua diretoria e aos inúmeros funcionários do BNDES.

Levy é a primeira baixa na equipe de Guedes. Na semana passada, o presidente demitiu três nomes importantes do alto escalão: os generais Franklimberg Ribeiro de Feitas (da presidência da Funai), Juarez Aparecido de Paulo Cunha (da presidência dos Correios) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (ministro Secretaria de Governo). Procurado pela reportagem, Levy não se manifestou.

Ato

Na próxima quarta-feira, véspera do aniversário de 67 anos da criação do BNDES, a Associação dos Funcionários do banco vai promover um ato "contra a antipatriótica desconstrução do BNDES", segundo nota divulgada nesse sábadopela entidade. O ato foi marcado no dia 13 de junho, portanto antes da demissão do presidente do banco, Joaquim Levy, mas ganhou maior repercussão após o episódio.

Segundo a associação, cinco ex-presidentes do BNDES foram convidados para o protesto: Dyogo de Oliveira, Paulo Rabello de Castro, Luciano Coutinho, Luiz Carlos Mendonça de Barros e André Franco Montoro Filho.