Petróleo abre semana em queda, apesar do temor por conta do ataque do Irã a Israel

Petróleo abre semana em queda, apesar do temor por conta do ataque do Irã a Israel

Preços da commodity já estavam em níveis 10% acima do valor justo na semana passada

Estadão Conteúdo

Petróleo abre semana em queda, apesar do temor por conta do ataque do Irã a Israel

publicidade

Apesar do temor de uma escalada do preço do petróleo após a ofensiva do Irã contra Israel no sábado, 13, as cotações do produto começam a semana sem sobressaltos. Na manhã desta segunda-feira, 15, por volta das 7h30 (horário de Brasília) operavam até em baixa: o preço do barril do óleo tipo Brent recuava 0,8%, cotado a US$ 89,73, enquanto o óleo tipo WTI caía 0,9%, com preço de US$ 84,89.

Em relatório divulgado nesta segunda-feira, 15, o banco australiano ANZ disse que não esperava uma reação imediata nos preços do petróleo após o ataque do Irã a Israel, considerando que o prêmio de risco geopolítico já estava "elevado". Com isso, a instituição mantém o preço-alvo para o barril do Brent no curto prazo em US$ 95.

"Esperamos que a reação inicial dos mercados petrolíferos seja moderada. O ataque foi bem telegrafado e parecia planejado para infligir danos mínimos. O Irã também deixou claro que considera que se trata do fim do atual ciclo de escalada", escreveu o banco australiano, alertando que uma continuação do conflito dependerá da resposta de Israel. "Só num caso extremo vemos que isso terá um impacto realista nos mercados petrolíferos."

O ANZ acrescenta que, mesmo que o fornecimento de petróleo do Irã seja interrompido, a Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) reiterou recentemente a sua política de abastecimento, o que a deixa com capacidade ociosa e possibilidade de responder a uma eventual quebra no abastecimento.

Risco geopolítico

Apesar da reação imediata relativamente calma do mercado de petróleo, a consultoria de energia norueguesa Rystad Energy avaliou neste domingo, 14, que o ataque do Irã contra Israel aumentou drasticamente o risco geopolítico envolvendo esse mercado. A instituição destacou que na semana passada os preços da commodity já estavam em níveis 10% acima do valor justo, que considera apenas fatores econômicos e que estaria em US$ 84 o barril.

O índice de Risco Geopolítico desenvolvido pela Rystad Energy já vinha crescendo, alcançando 1,22 na primeira semana de abril. Na segunda semana, que encerrou no sábado, 13, o indicador foi para 1,35, o nível mais elevado desde o início de 2024.

"Ao focar apenas nos dias 13 e 14 de abril, até 14h do Reino Unido, o Índice de Risco Geopolítico saltou ainda mais para 1 41", disse a consultoria.

Uma possível interpretação dos acontecimentos recentes sugere que as ações do Irã foram uma "retaliação medida" contra a ofensiva registrada em Damasco, na Síria, atribuída a Israel, embora o país não tenha reivindicado o ataque, afirmou a Rystad. A consultoria acrescentou que a representação do país islâmico na Organização das Nações Unidas (ONU) declarou o assunto como encerrado, sinalizando que não haverá mais ações.

Conforme destacou a consultoria, há incerteza sobre qual será a resposta das forças de Israel. Vários cenários são considerados neste contexto.

"O resultado mais favorável seria a redução das tensões, com os Estados Unidos desempenhando um papel crucial", afirmou a consultoria, apontando o envolvimento direto do presidente americano Joe Biden em conjunto com o G7. Ainda assim, é improvável que o prêmio de risco geopolítico caia para os patamares anteriores a 1º de abril sem sinalizações mais consistentes.

Na pior hipótese, uma retaliação vigorosa partindo de Israel poderia desencadear a escalada de um conflito sem precedentes. "Sob tais circunstâncias, os prêmios geopolíticos aumentariam significativamente", apontou a consultoria, acrescentando que se os EUA aplicarem novas sanções ao Irã podem afetar ainda mais os preços do petróleo no mercado global, aumentando as pressões econômicas existentes.

Veja Também


Se você é um empreendedor atingido pelas cheias, saiba como recomeçar

Sebrae RS apurou que 600 mil micro e pequenas empresas foram afetadas diretamente em todo o Estado

Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895