PIB do Brasil deve levar um tombo de 9,1%, prevê FMI

PIB do Brasil deve levar um tombo de 9,1%, prevê FMI

Crise do coronavírus e desconfiança do mercado externo puxam índices para baixo

AE

Projeções indicam queda de mais de 9% no PIB do país

publicidade

A evolução da pandemia do coronavírus levou o Fundo Monetário Internacional (FMI) a piorar a projeção de queda do PIB do Brasil em 2020, de -5,3% em abril para -9,1% agora, de acordo com as atualizações de previsões divulgadas pelo documento Perspectiva Econômica Mundial. Para 2021, o FMI elevou a estimativa de crescimento de 2,9% para 3,6%.

Dois fatores relacionados diretamente com a doença foram determinantes para a deterioração da estimativa para o PIB deste ano: um deles foi o abalo na economia doméstica provocado pela enfermidade, que inclusive provocou efeitos muito ruins na confiança de consumidores e de empresários.

Além disso, o ambiente externo ficou negativo com a crise internacional gerada pela Covid-19, o que abalou o fluxo de capitais para emergentes e os preços de commodities.

Para a economia global, a projeção é de queda de 4,9%, maior que a retração prevista anteriormente, de 3%. De acordo com o Fundo, o quadro mais complexo de retomada do nível de atividade no curto prazo por causa da doença levará as economias avançadas a registrar uma redução do PIB de 8% neste ano, mais acentuada que a retração de 6,1% estimada em abril. Em relação a 2021, este grupo de países deve registrar um crescimento de 4,8%.

No caso dos mercados emergentes, o FMI estima uma queda do PIB de 3% em 2020, mais alta que a contração de 1,0% prevista em abril, motivada sobretudo pelos impactos graves ao consumo e produção causados pela rápida disseminação da covid-19 em diversos países em desenvolvimento. A previsão de expansão para 2021 para esta categoria de nações também ficou menor, passando de 6,6% para 5,9%.

A China será um dos poucos países que apresentarão expansão do PIB neste ano, segundo o FMI, de +1,0%, marca pouco inferior à previsão de 1,2% realizada recentemente pelo Fundo.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895