Porto Alegre tem a segunda maior variação no acumulado do ano no IPCA-15, aponta IBGE

Porto Alegre tem a segunda maior variação no acumulado do ano no IPCA-15, aponta IBGE

Capital também aparece na segunda colocação do índice econômico no acumulado dos últimos 12 meses

Correio do Povo

De outubro para novembro, Capital teve nona maior inflação registrada

publicidade

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira os resultados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) e Porto Alegre contabilizou 1,15% na variação de novembro. No acumulado do ano, a Capital registrou a segunda maior variação, 10,64%, perdendo apenas para Curitiba, que teve 12,26%. No acumulado dos últimos 12 meses, a cidade gaúcha teve também a segunda maior variação entre as regiões pesquisadas, 12,33%, sendo superada novamente pela capital paranaense.  

A nível nacional, o IPCA-15 teve alta de 1,17% em novembro, 0,03 ponto percentual abaixo da taxa registrada em outubro (1,20%). Essa é a maior variação para um mês de novembro desde 2002, quando o índice foi de 2,08%. O acumulado no ano foi de 9,57% e, em 12 meses, de 10,73%, acima dos 10,34% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2020, a taxa havia sido de 0,81%.

De acordo com o IBGE, Porto Alegre ainda está em segundo lugar no acumulado da inflação nos últimos 12 meses, com o índice chegando a 12,33%, ficando atrás somente também de Curitiba, com o indicativo da economia estando em 13,69%. Em seguida aparecem Fortaleza (CE), com 11,90%; Recife (PE), com 11,30% e Goiânia (GO), com variação de 11,09%.

Veja Também

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados entre 14 de outubro e 12 de novembro de 2021 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 15 de setembro a 13 de outubro de 2021 (base). O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta e na abrangência geográfica.

Nacionalmente, o levantamento indicou que todos os nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em novembro. A maior variação (2,89%) e o maior impacto (0,61 p.p.) vieram dos Transportes. Em seguida, vieram Habitação (1,06%) e Saúde e cuidados pessoais (0,80%), com impactos de 0,17 p.p. e 0,10 p.p., respectivamente. Juntos, os três grupos contribuíram com 0,88 p.p. no IPCA-15 de novembro, o equivalente a cerca de 75% do índice do mês. Vestuário (1,59%) teve a segunda maior variação no mês e o grupo Alimentação e bebidas (0,40%) desacelerou em relação a outubro (1,38%). Os demais grupos ficaram entre o 0,01% de Educação e o 1,53% de Artigos de residência.

Confira a lista das dez capitais brasileiras com maior aumento no IPCA-15 entre outubro e novembro: 

1º Goiânia (GO) - 1,86%

2º Salvador (BA) - 1,47%

3º Fortaleza (CE) - 1,35%

4º Belo Horizonte (MG) - 1,34%

5º Brasília (DF) - 1,34%

6º Recife (PE) - 1,23%

7º Curitiba (PR) - 1,22%

8º Rio de Janeiro (RJ) - 1,22%

9º Porto Alegre (RS) - 1,15%

10º São Paulo (SP) - 0,95%

 

* Com informações do repórter Lucas Eliel


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895