Preço dos alimentos deve baixar com alta dos juros por causa do freio da inflação

Preço dos alimentos deve baixar com alta dos juros por causa do freio da inflação

A estratégia busca levar o consumidor a adiar uma compra para desestimular o consumo e, assim, controlar a inflação

R7

Medida, num primeiro momento, pode frear os preços dos alimentos

publicidade

Com a elevação da taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, para 6,25%, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC), utilizou um mecanismo de freio da inflação. A medida, num primeiro momento, pode reduzir o preço dos alimentos, como arroz e feijão, e dos combustíveis. 

De acordo com o professor de Economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Pedro Raffy Vartanian, o motivo fundamental para esse aumento é o comportamento dos preços, que são afetados pela alta da inflação. 

Veja Também

De forma simplificada, o custo mais alto do dinheiro e do crediário faz com que a população contenha seus gastos, reduzindo a demanda. O que provoca uma retração na economia, com redução nos preços dos produtos e serviços, fazendo a inflação cair. 

Em um cenário de inflação alta, o Copom pode elevar a Selic para desestimular o consumo. Mas a medida pode aumentar os juros do cartão de crédito, empréstimos e cheques. A estratégia busca levar o consumidor a adiar uma compra e, assim, controlar a inflação. 

Derrubar a inflação, que é o objetivo do Banco Central ao aumentar a taxa Selic, é positivo para a grande parte da população em geral, explica César Bergo, presidente do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal. 

“Isso preserva o poder de compra da população. Ou seja, a inflação caindo possibilita que eu vá a um supermercado em um mês e compre a mesma quantidade de produtos que comprei no mês anterior com o mesmo dinheiro. Se a taxa Selic sobe, há uma propensão da população de poupar ou investir o dinheiro, o que reduz o dinheiro em circulação”, afirma Bergo. 

Outro impacto é explicado pelo professor Vartanian. Ele lembra de como o anúncio do Copom afeta os empréstimos. “Ocorre um aumento nas taxas das operações de crédito, como cheque especial e cartão de crédito. Isso significa que a compra financiada de uma geladeira, ou um carro, por exemplo, fica mais cara. Do ponto de vista dos investimentos, há um aumento da remuneração da poupança, dos CDBs, títulos públicos e outras aplicações de renda fixa”, avalia Vartanian. 

Em uma situação prática: quem vai ao banco simular um empréstimo para comprar um carro poderá ver o plano falhar se a Selic subir no mês seguinte. Isso porque o aumento da taxa fará com que as prestações fiquem mais caras do que foi originalmente simulado, forçando o consumidor a repensar o empréstimo e a compra. 

O que é

A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira e o principal instrumento de política monetária do Banco Central no controle da inflação. Por influenciar todas as taxas de juros do País, a Selic pode ter um peso no bolso do consumidor quando se trata de empréstimos, financiamentos e aplicações financeiras.

A sigla vem de Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, no qual o Banco Central opera diariamente na emissão, compra e venda de títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895