Sulpetro alerta para aumento de preços e falta de combustíveis nos postos independentes

Sulpetro alerta para aumento de preços e falta de combustíveis nos postos independentes

Segundo sindicato, indefinição sobre isenções está causando majoração dos preços antes do esperado

Correio do Povo

publicidade

Empresários de postos de combustíveis estão relatando elevação no preço dos produtos por parte das companhias distribuidoras em relação à semana passada, especialmente os estabelecimentos independentes (bandeira branca). Além do aumento nos valores dos combustíveis em mais de R$ 0,50 o litro, os postos sem bandeira estão enfrentando escassez de produtos. 

O Sindicato Intermunicipal do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes no Estado do Rio Grande do Sul (Sulpetro), entidade que representa o setor no Estado, mostra preocupação com o ocorrido. “Na nossa visão, as distribuidoras estão segurando os estoques devido às indefinições do novo governo quanto à cobrança de PIS/Cofins e ‘reprecificando’ as margens de lucros”, avalia o presidente do Sulpetro, João Carlos Dal’Aqua.

Ele refere-se ao fato de o governo federal ainda não ter decidido se prorroga ou não a isenção dos impostos federais sobre combustíveis. “As companhias estão querendo maximizar seus resultados, neste final de ano, e já antecipando uma possível subida de preços a partir de janeiro de 2023”, projeta Dal’Aqua. O aumento ocorre antes do previsto.

O atual ministro de Minas Energia, Adolfo Sachsida falou que se houver a volta dos tributos, o litro da gasolina pode ter aumento de até R$ 0,69 a partir de 1º de janeiro.  O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sinalizou que irá discutir com o presidente eleito Lula a possibilidade de prorrogar a validade da isenção do PIS e Cofins dos combustíveis mas pediu que o atual governo não prorrogue o corte dos impostos federais sobre combustíveis.

O assunto foi debatido com a equipe do atual ministro da Economia, Paulo Guedes, mas ainda não há definição sobre o tema. 


Se você é um empreendedor atingido pelas cheias, saiba como recomeçar

Sebrae RS apurou que 600 mil micro e pequenas empresas foram afetadas diretamente em todo o Estado

Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895