Comunidade escolar do Instituto de Educação entrega abaixo-assinado à Secretaria de Educação
capa

Comunidade escolar do Instituto de Educação entrega abaixo-assinado à Secretaria de Educação

Grupo tentou entregar documento ao secretário de Educação e ao governador, Eduardo Leite

Por
Gabriel Guedes

Diretor do Departamento de Obras da Secretaria Estadual de Educação recebeu abaixo-assinado pedindo que as obras do Instituto de Educação General Flores da Cunha não parem

publicidade

Uma comitiva de pais e alunos do Instituto de Educação General Flores da Cunha, entregou um abaixo-assinado à Secretaria Estadual de Educação (Seduc) na tarde desta sexta-feira, em Porto Alegre. O grupo busca evitar a desmobilização da construtora que está restaurando o prédio da escola, que não estaria mais recebendo recursos para tocar a obra, que se arrasta desde 2016. Seria a segunda paralisação dos trabalhos. Na primeira vez, em 2017, foi rescindido o contrato com uma outra construtura. As obras então foram retomadas em outubro de 2018 com uma nova empreiteira. O diretor do Departamento de Obras da Seduc, Carlos Alexandre, recebeu o documento e prometeu à comitiva dar encaminhamento ao assunto. O grupo ainda tentou levar as assinaturas ao governador, Eduardo Leite, que não os recebeu.

"Desde que a gente soube do que vai acontecer com o Instituto, estamos nos mobilizando. Domingo realizamos um ato e agora estamos entregando um abaixo assinado com 1.600 assinaturas na tentativa de sensibilizar o governo para a questão", explicou a representante da Comissão de Restauro do Conselho Escolar e Círculo e Pais e Mestres, Maria da Graça Morales. Ela afirma que os recursos que eram para a reforma, não estão sendo mais destinados. "Há um desvio de finalidade dos recursos", acusou.

Aos pais e alunos presentes, o representante da Seduc afirmou que as dificuldades financeiras do Estado estão prejudicando o andamento da obra. "Há escassez de recursos e a secretaria está até pedindo um alongamento de prazo para poder concluir a obra. No momento, os recursos estão indo para manter outras escolas em funcionamento. São instituições que necessitam muito. Precisam de PPCI (Plano de Prevenção e Combate a Incêndio) e instalações elétricas adequadas", disse ao grupo. Conforme o diretor, a ideia é assegurar os recursos no orçamento do Estado para atender a demanda do Instituto e demais escolas.

Depois de ir até a Secretaria de Educação, a comitiva foi ao Palácio Piratini. Mas sem conseguir entregar o documento nas mãos do governador, a solicitação foi protocolada.

O Instituto de Educação General Flores da Cunha possui 1.360 alunos matriculados na educação infantil, ensino fundamental e médio, além de abrigar um centro de formação de docentes e a educação de jovens e adultos. A restauração do prédio, erguido no ano de 1935, inclui os telhados, móveis, redes de água, luz e esgoto, fachada externa e interna, salas e banheiros.