Escola de Alvorada é escolhida para adotar modelo cívico-militar no RS
capa

Escola de Alvorada é escolhida para adotar modelo cívico-militar no RS

Decisão ainda precisa ser aprovada por meio de uma consulta pública com a comunidade escolar

Por
Brenda Fernández

Adesão precisa ser aprovada pela comunidade escolar por meio de uma consulta pública

publicidade

A Escola Carlos Drummond de Andrade, em Alvorada, é a segunda instituição de ensino escolhida pela Secretaria Estadual de Educação (Seduc) para aderir ao modelo cívico-militar – proposto pelo Ministério da Educação (MEC). A novidade chegou à comunidade na manhã desta quinta-feira após uma reunião entre a Seduc, a equipe de direção da escola, o Conselho Escolar e Círculo de Pais e Mestres. A primeira escola escolhida para a implementação de monitores especiais é a Escola Alexandre Zattera, de Caxias do Sul, na Serra.

A Seduc ainda não anunciou oficialmente a seleção das instituições pilotos do modelo cívico-militar, pois é de exigência do projeto que ambas sejam aceitas pela comunidade escolar por meio de uma consulta pública entre professores, alunos, funcionários e pais. Conforme a Seduc, a consulta popular deve ocorrer nos próximos dias.

Modelo Cívico-Militar

A adoção do modelo cívico-militar não permite nenhuma alteração nas atividades desenvolvidas dentro de sala de aula – que é de responsabilidade do Departamento Pedagógico da Seduc. Cabe ao projeto integrar monitores cívico-militar para aplicação de atividades externas à sala de aula visando o ensino e o exemplo de boas ações, assim como o fortalecimento de valores humanos. Por meio destas tarefas, o Governo Federal busca identificar problemas que possam influenciar no aprendizado e na convivência social.

Ainda de acordo com a Seduc, os monitores cívico-militar serão selecionados por meio de um edital. Para ocupar a função, os interessados precisarão preencher pré-requisitos. Dentre eles, a participação em projetos ligados à criança e adolescente; Bombeiro Mirim, Proerd, entre outros.

Exigências

Para adotar ao modelo cívico-militar, as instituições precisam abrigar o Ensino Médio, ter entre 500 e 1 mil alunos, integrar o RS Seguro – Programa Transversal do governo – e ainda, se encontrar em zona de vulnerabilidade social.