UFPel lamenta possibilidade de cortes de orçamento na Capes
capa

UFPel lamenta possibilidade de cortes de orçamento na Capes

Gestores alertam que interrupção de recursos pode paralisar pesquisa brasileira

Por
Correio do Povo

UFPel lamenta possibilidade de cortes de orçamento na Capes

publicidade

O pró-reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação da Universidade Federal de Pelotas, Flávio Demarco definiu cenário da ciência e tecnologia brasileira como "desolador" após anúncio de possíveis cortes de recursos previstos para a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (Capes). Restrição integra projeto que prevê uma nova Lei Orçamentária Anual (LOA) que deixa de destinar à entidade cerca de R$ 500 milhões, segundo o presidente da Coordenação, Abilio Beata Neves.

A medida afeta diretamente 400 mil bolsistas de mestrado, doutorado, pós-doutorado e dos programas de Iniciação a Docência e de Formação de Professores da Educação Básica. Segundo a entidade, o maior impacto seria sentido no desenvolvimento da ciência e tecnologia brasileiros, caso o projeto obtenha aprovação, já que o sistema Universidade Aberta do Brasil e os mestrados para qualificação de professores da Educação Básica precisarão ser interrompidos.

O coordenador de Pós-Graduação da pró-reitoria, Rafael Vetromille, destaca que o não pagamento das bolsas influencia no desenvolvimento da pesquisa no país. "Muitos dos nossos estudantes de pós-graduação dependem das bolsas para desempenharem suas atividades", explicou Vetromille. Segundo ele, os subsídios são o que permite que pesquisadores mantenham operação em seus laboratórios.

Demarco lembra que a Capes foi responsável por colocar o Brasil no mapa da pesquisa. Para o pró-reitor, foi a partir da criação da Coordenação que houve uma implementação real da pós-graduação no país. Os gestores alertam para a redução de titulados brasileiros atuantes ou do aumento da evasão dos programas de mestrado e doutorado em busca de condições de desenvolver pesquisa em instituições estrangeiras.