Caminhada de funcionários da Carris antecede a greve marcada para esta sexta-feira

Caminhada de funcionários da Carris antecede a greve marcada para esta sexta-feira

Rodoviários protestaram contra a privatização da Companhia e a extinção da função de cobrador

Sidney de Jesus

Paralisação total dos serviços da companhia por tempo indeterminado começa nesta sexta

publicidade

Uma caminhada dos funcionários da Carris, realizada na noite desta quinta-feira, antecedeu a greve da categoria marcada para esta sexta-feira. Com faixas e cartazes contra a privatização da Companhia e a extinção da função de cobrador, dezenas de trabalhadores saíram da garagem da empresa, na Rua Albion, no bairro Partenon, para protestar e anunciar a paralisação dos serviços de transporte por tempo indeterminado.

Durante o trajeto, que passou pelas avenidas Bento Gonçalves e Antônio Carvalho, na zona Leste da Capital, os rodoviários gritaram palavras de ordem como “Carris unida, jamais será vencida”, Greve Já, entre outras manifestações de contrariedade contra os projetos e decisões do governo municipal. “Estamos em luta não simplesmente pelos empregos, mas também pelo transporte público que toda a população perderá com a privatização da Carris. Nossa intenção é de paralisar as atividades até que o prefeito Sebastião Melo retire da Câmara o projeto de desestatização da Carris”, afirmou o cobrador e delegado sindical, Maximiliano Fromming da Rocha, de 33 anos, que é funcionário da Carris há 10.

Motorista da Companhia há 24 anos, Cíntia Raquel Guterres, de 49 anos, lamentou a possível privatização da empresa e a extinção da função de cobrador. “Em época de pandemia querem acabar com a Carris, que é do povo, deixando muitos colegas desempregados. Eu como motorista e mulher é negra, fui aceita na empresa porque fiz concurso. Não vamos entregar a Carris assim tão fácil”, ressaltou Cíntia.

Já o cobrador Renato Finger, de 61 anos, que traballha na empresa há oito, lembrou que foi a Carris quem atendeu a população durante a pandemia. “A Carris operou 22 linhas dos consórcios que ganharam 55 milhões da prefeitura e ficaram parados na pandemia. Nossa empresa é um patrimônio dos porto-alegrenses e não dá todo esse prejuízo que falam”, destacou Finger, que ressaltou que “se tirarem os Ccs e outras falcatruas, a Carris se autosustenta e baixa a tarifa”. O protesto foi pacífico e terminou por volta das 20 horas, onde começou, na entrada da garagem da Companhia, na Rua Albion.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895