Campanha "Valores que ficam", da Assembleia Legislativa, tem aumento de 27% de arrecadação em 2021

Campanha "Valores que ficam", da Assembleia Legislativa, tem aumento de 27% de arrecadação em 2021

Ação incentiva a destinação de até 6% do imposto de renda para causas sociais do Estado

Sidney de Jesus

Campanha apresentou resultados nesta quarta-feira

publicidade

Com o objetivo de estimular os contribuintes gaúchos a destinarem recursos do imposto de renda para instituições beneficentes, a campanha Valores que Ficam, da Assembleia Legislativa (ALRS) teve um aumento de 27,85 % na arrecadação dos recursos em 2021, em relação ao ano passado.      

Segundo dados da Receita Federal, foram destinados R$ 27.517.718,97, por meio do imposto de renda, para o Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente e para o Fundo da Pessoa Idosa. Os números foram anunciados na tarde desta quarta-feira, 4, em reunião virtual transmitida pelo canal do Youtoube da ALRS. 

“Tivemos uma arrecadação recorde este ano. Ao todo serão beneficiados 109 municípios gaúchos com o Fundo do Idoso e 283 com Fundo da Criança e do Adolescente”, afirmou o presidente da ALRS, deputado Gabriel Souza (MDB), durante a apresentação dos números de 2021 do programa Valores que Ficam.  Ele destacou que a arrecadação oriunda dos recursos do imposto de renda dos contribuintes será depositada imediatamente nos fundos dos mais de 50% dos municípios gaúchos contemplados com a campanha.    

“Esse dinheiro não é abstrato. A partir de hoje os prefeitos dessas cidades, através dos conselhos municipais da Criança e do Adolescente e do Idoso, terão a tarefa de escolherem os melhores projetos para que a população seja beneficiada com o recurso”, enfatizou Gabriel Souza, lembrando que o próximo presidente da ALRS, deverá dar continuidade à campanha. 

Conforme ainda o presidente da ALRS, deputado Gabriel Souza (MDB), em 2019 foram destinados R$ 13,7 milhões para as instituições assistidas e em 2020  o número aumentou para 17, 6 milhões. “São números crescentes que mostram os esforços das gestões e campanhas dos anos anteriores. A lógica é sempre crescer. Nosso desejo é que no próximo ano sejam ultrapassados os recursos arrecadados neste ano de 2021”, projetou Gabriel Souza, lembrando que a iniciativa visa  incentivar a destinação de até 6% do imposto de renda devido para causas sociais do Estado, sendo até 3% do Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente e até 3% para o Fundo da Pessoa Idosa.  

De acordo com o superintendente-adjunto da Receita Federal no RS, Ademir Gomes de Oliveira, os resultados da arrecadação de recursos reforçam a importância da campanha e a necessidade da divulgação. “É um dinheiro que não dói e não sai do nosso bolso. É um recurso muito interessante e necessário”, afirmou o superintendente, que lembrou que o aumento foi de 27, 85%, mas ainda não foi apurado o que foi efetuado no ano calendário. “Poderíamos estar destinando mais de 500 milhões. É hora de arregaçarmos as mangas para que em 2022 possamos ter a destinação da arrecadação no ano calendário e destinarmos os recursos diretamente às instituições”, ressaltou Ademir Gomes .  

“Vamos seguir juntos nesse projeto de destinar recursos do imposto de renda dos contribuintes às instituições e potencializar ainda mais”, afirmou o presidente do Sescon-RS, Célio Levandovski, que destacou que para o ano que vem estão previstas melhorias na arrecadação de recursos. “Através de parcerias já conseguimos uma série de melhorias, entre elas o Darf com o código de barras, que será essencial para fazemos o trabalho operacional e a sensibilização do cliente”, acrescentou Levandovski. 

Representando o governador do Estado  Eduardo Leite,  o secretário de Justiça e Sistema Penal e Socioeducativo, Mauro Hauschild destacou importância da decisão de fazer uma única campanha para garantir que arrecadação do imposto de renda dos contribuintes fique nos municípios. “Antes tínhamos as campanhas da Assembleia Legislativa e do Poder Executivo. Chegamos ao entendimento de que juntos somos mais fortes.

O resultado está aí: a maioria das cidades do RS foram beneficiadas com recursos do programa Valores que Ficam”, ressaltou o secretário, que espera que todos os 497 municípios do Rio Grande do Sul criem conselhos e fundos municipais  para permitir que que recursos cheguem para quem mais precisa. “Temos muito a comemorar, mas o desafio é muito grande. Temos que convencer as pessoas a doarem. Não tem custo para ninguém. É preciso continuar com a campanha e as políticas públicas, pois centenas de milhares de jovens, crianças e idosos podem ser beneficiados”, afirmou. 

“Os números falam por si. A classe contábil comprou a ideia no momento derradeiro da declaração do Imposto de Renda. Devemos comemorar o crescimento da campanha Valores que Ficam, que está acontecendo ano após ano”, destacou a presidente do Conselho Regional de Contabilidade do Estado (CRCRAS), Ana Tércia. 

Também participaram da reunião virtual híbrida, políticos, dirigentes de entidades de classes, além dos artistas que cederam voluntariamente suas imagens para a campanha publicitária, o comediante Jair Kobe (guri de Uruguaiana e músico Renato Borghetti, apoiadores  e outros agentes envolvidos  na campanha Valores que Ficam.  


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895