Cartórios gaúchos contam com selo de certificação de ambiente seguro

Cartórios gaúchos contam com selo de certificação de ambiente seguro

Campanha conta inicialmente com 19 cartórios aprovados no Estado

Por
Gabriel Guedes

Os cartórios tinham até o dia 31 de agosto para se inscrever


publicidade

Para mostrar ao usuário que o cartório onde ele está buscando o serviço está em conformidade com os protocolos de combate à Covid-19 estabelecidos pelas autoridades, Conselho Nacional de Justiça e Corregedoria do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, a Associação dos Notários e Registradores do Rio Grande do Sul (Anoreg/RS) lançou o selo Cartório - Ambiente Seguro contra a Covid-19. 

Entre os requisitos estabelecidos estão o controle de acessos e marcação de espaços para evitar aglomerações; disponibilização de álcool em gel para os colaboradores e usuários; fornecimento de máscara e outros Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) a todos os colaboradores; limpeza e higienização correta do ambiente; e opções para atendimento remoto ao usuário.

O presidente da Anoreg/RS, João Pedro Lamana Paiva, conta que a campanha nasceu para fortalecer as ações de combate ao contágio da Covid-19. “Porque nós fomos pegos de surpresa pela Covid e isso não terminou ainda. Mas é importante que se mantenha o isolamento de quem pode e só se saia de casa quando for necessário. Mas dentro da nossa atividade, precisamos cuidar de nossos colaboradores e usuários do sistema”, defende Paiva. “Nós fomos declarados como serviços essenciais e indispensáveis. Não paramos nenhum dia. Nós estávamos trabalhando de plantão para atender a demanda”, acrescenta.

Os cartórios tinham até o dia 31 de agosto para se inscrever. No processo, as unidades precisavam anexar as respectivas imagens comprovando a implementação das medidas para controle do contágio. Conforme o presidente, dos 776 serviços notariais no Rio Grande do Sul, que funcionam nos 497 municípios, 27 se inscreveram para participar da iniciativa e 19 foram aprovados no primeiro plano, 8 aprovados com orientações e apenas um deles não passou.


“Isso é zelar pela segurança, conscientizar a população, destacando o cartório como um ambiente seguro. Por isso houve toda uma reengenharia. Em um lugar que antes recebia 30 pessoas, agora é pra 10 pessoas, por exemplo”, conclui.