Cartinhas amarelas chamam atenção de frequentadores da Praça da Encol, em Porto Alegre

Cartinhas amarelas chamam atenção de frequentadores da Praça da Encol, em Porto Alegre

Ação com mensagens otimistas tem iniciativa da Força Jovem Universal (FJU)

Gabriel Guedes

Foram espalhadas mais de 50 mil cartas pelo Brasil

publicidade

Na movimentada Praça da Encol, no bairro Bela Vista, em Porto Alegre, cartas colocadas dentro de envelopes amarelos e penduradas em árvores chamaram a atenção dos frequentadores do local nesta semana. Não é difícil de ver pessoas intrigadas com as correspondências.

“Já tinha visto no sábado, mas na quarta-feira da semana passada, ainda não", contou a economista Luciana Lima, 41 anos, que levava o filho para passear na manhã de ontem. Quem abre os envelopes, se depara com mensagens motivadoras, escritas à mão, mas que não estão assinadas por ninguém.

A aposentada Ligia Aspar, 64, acompanhava a neta, Marina, 4, na desbravação da floresta de cartas. “Olha esta, vó", alertava a pequena. As duas então resolveram olhar o conteúdo dos envelopes. “Parecem mensagens de auto-ajuda”, avalia a avó. Logo ela associou as mensagens à cor do envelope. “Ah, devem ser por causa do Setembro Amarelo”, acredita. É o mês dedicado à prevenção do suicídio.

Dentro das cartas, quem as lê vai encontrar mensagens assim: “Seja você quem for, ou ainda que duvide de você, nós acreditamos no seu recomeço". Em outra, estava escrito isso: “A sua vida não pode parar diante de uma frustração. Recomece, por você”. Apesar de não serem assinadas, ao final de cada mensagem, há uma indicação de um perfil no Instagram (@help.fju) e um número de WhatsApp (11 4200-0034). São contatos da iniciativa da Força Jovem Universal (FJU), da Universal.

“Dentro do FJU, tem este projeto do Help. São palavras de incentivo e superação e o número do telefone de apoio. Com a pandemia, tem mais pessoas com estes problemas”, explica o pastor Leandro Oliveira, coordenador da FJU Rio Grande do Sul.

Em Porto Alegre foram penduradas cerca de 15 mil cartas e no Rio Grande do Sul inteiro, totaliza cerca de 50 mil. Além da Encol, a ideia foi repetida no Parque Farroupilha, na Capital. “É uma ação que ocorreu em todo o Brasil”, afirmou Oliveira. Apesar do trabalho chamar a atenção no Setembro Amarelo, o pastor diz que as cartas são feitas de forma contínua. “Esse trabalho das cartinhas é quase feito semanalmente. Mas esta ação maior acaba fazendo parte do mês de setembro. Também temos uma outra ação, que é o ‘Cantinho do Desabafo’, onde a pessoa encontra apoio para falar”, contou.

Conforme dados da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), são registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 1 milhão no mundo. Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895