Centro vai acolher até 100 pessoas com Covid-19 com dificuldades de se isolar

Centro vai acolher até 100 pessoas com Covid-19 com dificuldades de se isolar

Prédio que abrigava a antiga Escola Estadual Marechal Mallet, na Vila Jardim, passou por uma ampla reforma

Por
Gabriel Guedes

Centro vai poder receber até 100 pessoas


publicidade

Em uma iniciativa inédita no Sul do Brasil, começou a funcionar nesta quarta-feira, em Porto Alegre, o primeiro Centro de Acolhimento e Isolamento Social (Cais), destinado à população em situação de rua e a pessoas que tenham testado positivo para Covid-19 e apresentem sintomas levas, mas não possuam condições adequadas de distanciamento social. Para isso, o prédio que abrigava a antiga Escola Estadual Marechal Mallet, na Vila Jardim, passou por uma ampla reforma durante os últimos 30 dias, em um investimento de R$ 1,5 milhão, viabilizado em uma parceria entre a Prefeitura e a Fundação Itaú para Educação e Cultura (Fiec), por meio do Programa Todos pela Saúde. O centro vai poder receber até 100 pessoas e a primeira delas estava prevista para chegar na tarde desta quarta-feira.

Segundo Thiago Franklin, presidente do Instituto Renascer, contratado pelo Itaú para o projeto, o projeto vai ser realizado por um prazo de 60 dias, podendo ser prorrogado por mais 30. “O prédio foi todo reformado e depois que terminar o projeto, ficará de legado para a cidade de Porto Alegre”, afirma. O prefeito Nelson Marchezan Júnior, que fez uma visita ao local, ainda não determinou destino permanente à antiga escola, mas se demonstrou bastante satisfeito com a iniciativa. “A questão do gesto, de instituições nacionais se importarem com a pandemia e com as pessoas que mais precisam aqui, compõe com toda estrutura de cuidado com as pessoas mais vulneráveis. Desde o início da pandemia, Porto Alegre montou uma estrutura de acolhimento e recepção a pessoas mais vulneráveis, que inclui a cesta-básica, 32 banheiros espalhados pela cidade para higienização e a Campanha do Agasalho”, afirma.

A organização e gestão do local estão a cargo do Instituto Renascer, com custos de R$ 3,5 milhões subsidiados pela iniciativa privada, e as despesas de água e energia elétrica, por conta da prefeitura. O secretário municipal adjunto de Saúde, Natan Katz, explica que os pacientes serão encaminhados ao Cais pelas unidades de saúde. No Cais, de acordo com Franklin, o assistido, depois de testado, poderá permanecer por pelo menos 14 dias ou no tempo necessário para não ter mais sinais da Covid-19 no organismo. A estrutura física conta com dormitórios coletivos, sanitários e chuveiros, área de convivência (com televisão, cinema e outras atividades de entretenimento), cozinha e refeitório, sala de teleatendimento, rouparia, sala para reuniões, sistema de monitoramento por câmeras, sala de doação de itens e sala de enfermagem. Para dar conta de tudo, 33 profissionais estarão envolvidos, da segurança à enfermagem.

O Programa Todos Pela Saúde já disponibilizou R$ 1 bilhão para financiar ações de enfrentamento ao coronavírus. A Fiec é uma entidade sem fins lucrativos que tem entre os objetivos a promoção da assistência social, a defesa e garantia de direitos e o fortalecimento da sociedade civil. Já o Instituto Renascer é uma entidade que elabora e executa projetos sociais. Além do Cais, o Instituto é parceiro da prefeitura também no acolhimento de pessoas em situação de rua.

Para fazer o teste

- Ser morador de Porto Alegre
- Teste RT-PCR positivo
- Não ter possibilidade de isolamento adequado em casa
- Ser encaminhado por um profissional de saúde da rede pública.
- Residir com pessoas do grupo de risco ou com idosos com mais de 60 anos.
- Residir com pessoas com comorbidades: HIV, tuberculose, gestante e lactante, câncer, doença pulmonar obstrutiva crônica, obesos, cardiopatas, diabéticos, hipertensos, insuficiência renal grave ou outras doenças relacionadas à imunossupressão.