Chile ultrapassa os 50.000 casos de coronavírus e mais de 500 mortos

Chile ultrapassa os 50.000 casos de coronavírus e mais de 500 mortos

Quarentena total será renovada por mais uma semana em Santiago e medidas de isolamento durará pelo menos até sexta-feira

Por
AFP

Santiago, capital de sete milhões de habitantes, é o principal foco da pandemia no país


publicidade

Após uma semana com recordes diários, o Chile ultrapassou um marco ao somar 35 mortos e 4.038 novos casos de coronavírus nas últimas 24 horas, elevando a 53.617 o número de infectados e 544 mortos desde março, informou o Ministério da Saúde nesta quarta-feira.

Em Santiago, capital de sete milhões de habitantes que é o principal foco da pandemia no país, estão ocupadas entre 94% e 95% das unidades com leitos para pacientes graves e, no entanto, também foi registrado outro "aumento muito importante" no número de internados, disseram as autoridades.

O ministro da Saúde, Jaime Mañalich, informou hoje que a quarentena total será renovada por mais uma semana na Grande Santiago e que as medidas de isolamento durarão pelo menos até sexta-feira, 29 de maio.

Os números sombrios coincidiram com uma queda nas temperaturas devido ao início do inverno, marcando entre 9 e 13 graus Celsius em Santiago, e um clima de tensão social na área da cidade mais atingida pela pobreza.

Até 30 de abril, o país mostrava números tranquilizadores, mas especialistas alertaram que ainda era muito cedo para cantar vitória, principalmente considerando que os contágios estavam começando a se espalhar nas regiões mais pobres e povoadas de Santiago, uma cidade onde no inverno a rede pública de saúde geralmente fica saturada devido às doenças respiratórias.


Com números que pareciam sob controle, um tom triunfante entre as autoridades e o pânico pela queda na economia, o presidente Sebastián Piñera e vários prefeitos deram sinais para a retomada das atividades, como a reabertura de alguns centros comerciais e a ordem de retorno aos funcionários públicos.