Chuva e vento causam estragos em Porto Alegre

Chuva e vento causam estragos em Porto Alegre

Sinaleiras ficaram inoperantes pela falta de energia elétrica

Karina Reif

Árvore caiu em cima de um Fiesta estacionado no Centro de Porto Alegre

publicidade

A chuva que começou na terça-feira seguiu fazendo estragos nesta quinta-feira em Porto Alegre. No início da manhã, cinco árvores interrompiam ruas e calçadas. Além disso, havia diversos locais com alagamento. Os registros mais graves eram no extremo da zona Norte e também na zona Sul.

A rua José Pedro Boéssio, no bairro Humaitá, por exemplo, tinha pelo menos três pontos embaixo d’água. Alguns veículos tiveram que desviar o caminho. Outros, contudo, arriscaram passar.

Na rua Riachuelo, no Centro da cidade, uma árvore caiu em cima de um Fiesta estacionado. O proprietário é zelador de um prédio localizado próximo à esquina com a rua Caldas Júnior. “Por volta das 5h50min, me avisaram que tinha estragado meu carro. Achei que era brincadeira”, disse Itaire Brasil dos Santos, 65 anos. O para-brisa, a parte traseira e teto do veículo ficaram danificados.

Na Rua da República, outra árvore caiu no final da tarde de quarta-feira e seguia interrompendo a via nesta manhã. O gerente de um estacionamento localizado diante de onde ocorreu o acidente, João Carlos Cazorla, disse que faltou luz no local quando a árvore caiu e na manhã de hoje ainda não havia voltado. “Estamos sem poder trabalhar”, observou.

Na avenida Protásio Alves, entre as ruas Palmeiras e Montenegro, uma árvore caiu na via e o trânsito precisou ser desviado para o corredor de ônibus. Outra despencou na rua Coronel Claudino, entre as ruas Tamandaré e Icaraí, assim como na rua Dom João VI com Oscar Pereira, e na Guilherme Schell, no número 146, segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Smam). A combinação de solo molhado pela chuva e vento favorece as quedas.

Mais de 30 mil clientes da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) estavam sem luz nesta quinta, sendo que 23 mil estavam na Região Metropolitana. Em Tapes, a regional de Camaquã precisou contratar de forma emergencial uma equipe de manutenção para fazer os consertos necessários de recomposição da rede, por causa do problema de acesso à cidade.

Foram registradas entre a madrugada de quarta-feira e o início de hoje 3.624 ocorrências. A maior parte dos desligamentos foi gerado por problemas relacionados a interferência de vegetais no sistema.

Pela falta de energia elétrica, várias sinaleiras ficaram fora de funcionamento em cruzamentos como o da avenida Praia de Belas com a Ipiranga, também na avenida Venâncio Aires, entre Lima e Silva e José do Patrocínio, na Independência com a Santo Antônio, Osvaldo Aranha com a Garibaldi, Osvaldo Aranha e Fernandes Vieira e Santana e Vicente da Fontoura.

Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895