Comércio expõe preocupação com interrupção das flexibilizações em Porto Alegre

Comércio expõe preocupação com interrupção das flexibilizações em Porto Alegre

Entidades ligadas ao setor irão intensificar campanhas de conscientização, mas entendem que atividades econômicas não são responsáveis pelo aumento dos indicadores da pandemia

Cláudio Isaías

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Rio Grande do Sul (Abrasel-RS) alegou que paralisar o avanço das flexibilizações é "contra produtivo"

publicidade

Os varejistas de Porto Alegre estão preocupados com a interrupção de novas flexibilizações no comércio determinadas pela prefeitura. A Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL/POA) entende que a atividade econômica não é responsável pela ampliação da disseminação da Covid-19. "As pessoas relaxaram nos cuidados e o momento agora é de uma maior conscientização da população. Os estabelecimentos comerciais estão começando a se recuperar e já pagaram muito caro por esta conta", ressaltou o presidente da CDL/POA, Irio Piva.

Veja Também

Segundo ele, a entidade continuará sendo um dos agentes de conscientização para os cuidados sanitários e ampliará esta campanha. Já a presidente Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Rio Grande do Sul (Abrasel-RS), Maria Fernanda Tartoni, disse que o setor não concorda com a interrupção das flexibilizações. "Precisamos seguir ampliando as medidas e que o comércio volte à normalidade. Interromper é contra produtivo para nós. É necessário sempre monitorar e equilibrar a questão da saúde, mas é importante não parar esse processo", ressaltou. Segundo Maria Fernanda, o setor trabalha cumprindo os protocolos para alcançar avanços gradativo. "Nosso esforço é para que possamos retomar uma vida mais perto da normalidade, mas com consciência e com foco na saúde e bem-estar de todos", acrescentou.

O Sindilojas Porto Alegre lançou uma campanha para chamar atenção às medidas de prevenção ao coronavírus. A ideia da iniciativa foi alertar o cidadão para que não ocorra um novo aumento de casos de Covid-19 e, com isso, seja preciso fechar tudo novamente. Além de reforçar os protocolos de combate a pandemia em suas divulgações, a entidade disponibilizou aos lojistas associados materiais para uso nas lojas, com adesivos que sinalizam a campanha e os cuidados necessários como o uso de máscara, uso do álcool em gel e o distanciamento de um a dois metros entre os clientes dentro das lojas.

O movimento de pessoas no comércio segue intenso no Centro de Porto Alegre. O público segue conferindo as promoções das ruas dos Andradas, Doutor Flores e Voluntários da Pátria e na avenida Borges de Medeiros, que concentram a maioria das grandes lojas. Redes como a C&A, Americanas, Renner, Gaston, Paquetá, Casas Maria, Marisa, Magazine Luiza e lojas Colombo são os locais preferidos dos consumidores. O ponto positivo é que as pessoas que estavam no Centro Histórico circulavam pela região usando máscara. Além disso, existe um respeito às marcações de distância, que varia entre um e dois metros dentro das lojas.

Na quarta-feira, o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus da prefeitura de Porto Alegre anunciou a interrupção do processo de flexibilização de atividades que vinha ocorrendo na cidade. A medida se deve ao cenário epidemiológico apresentado nas últimas semanas, com estabilidade e possível tendência de aumento dos indicadores

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895