Estátua de soldado confederado é retirada de Charlottesville

Estátua de soldado confederado é retirada de Charlottesville

Após protestos provocados pela morte de George Floyd, imagens de soldados confederados passaram a ser removidas de cidades americanas

AFP

Estátua de soldado confederado é retirada de Charlottesville

A cidade de Charlottesville retirou neste sábado uma estátua de um soldado confederado localizada perto do local de uma manifestação em 2017 de supremacistas brancos, durante a qual uma pessoa foi assassinada, na mais recente ação do estado da Virginia para se desprender das homenagens a seu passado escravagista.

A estátua, que mostra um soldado da Confederação empunhando seu rifle, foi inaugurada diante do tribunal do condado de Albemarle em 1909, 44 anos depois do fim da Guerra Civil.  Albemarle é o primeiro lugar da Virginia que recorre a um texto aprovado por seu governador democrata, Ralph Northam, para retirar estátuas da Guerra Civil (1861-1865).

Estátuas da Confederação - o grupo de estados separatistas e pró-escravidão, extinta após a guerra civil em 1865 - foram retiradas ao redor do país, seja por ordem dos municípios ou à força pelos manifestantes, depois dos protestos contra o racismo provocados pela morte de George Floyd, um afro-americano que faleceu durante a ação de um policial branco em Minneapolis.

Uma multidão se reuniu atrás de uma barreira de metal para testemunhar a retirada do monumento em Charlottesville, dançando e comemorando quando os trabalhadores retiravam as placas da base, e depois quando amarraram cordas à estátua e a derrubaram com um guindaste.

A poucas ruas de distância há uma estátua do general confederado Robert E. Lee, local de mais um episódio sombrio do passado recente de Charlottesville. Neonazistas e supremacistas brancos se reuniram perto desta estátua em agosto de 2017 para protestar contra seu desmantelamento. A situação se tornou trágica quando um homem atropelou um grupo de manifestantes antirracistas com seu carro. Uma mulher morreu e dezenas ficaram feridos.

O presidente Donald Trump aumentou a indignação sobre o incidente ao declarar, referindo-se aos confrontos entre neonazistas e antirracistas, que havia "pessoas muito boas de ambos os lados", negando-se a condenar abertamente os supremacistas brancos. Em junho, Northam ordenou a retirada da estátua de Lee, mas o processo está bloqueado na justiça.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895