Fórum Social Mundial debate cuidados, violência e mercado de trabalho para a população Idosa

Fórum Social Mundial debate cuidados, violência e mercado de trabalho para a população Idosa

Evento foi realizado na sala Salzano Vieira da Cunha da Assembleia Legislativa

Cláudio Isaías

Cuidados, violência e mercado de trabalho para a população Idosa foram temas de debate na Assembleia

publicidade

O Rio Grande do Sul assiste a um crescimento acentuado de idosos, o que requer novas atenções e um planejamento para atender essa população. O Estado possui mais de 1,7 milhão de pessoas com mais de 60 anos, o que representa 16% dos gaúchos e necessita discutir questões relativas ao cuidado com o idoso, a violência e a sua adaptação ao mercado de trabalho. A avaliação é da coordenadora estadual das Políticas de Atenção à Pessoa Idosa da Secretaria da Justiça, Luiziane Brusa da Costa, que, nesta terça-feira, debateu com entidades o Plano Decenal dos Direitos Humanos das Pessoas Idosas, durante o IV Fórum Social Mundial da População Idosa.

O evento foi realizado na sala Salzano Vieira da Cunha na Assembleia Legislativa. Segundo Luiziane Costa, a expectativa de vida no Rio Grande do Sul aumentou e é urgente que se pense em como atender as demandas dos idosos. "O documento é resultado desse processo de pesquisa e construção coletiva da política estadual da pessoa idosa no Rio Grande do Sul para os próximos dez anos", destacou.

Conforme Luiziane Costa, a realidade do envelhecimento se torna um desafio tanto para os indivíduos quanto para a sociedade sendo o resultado de uma construção coletiva, num percurso histórico, ampliada pelas construções teóricas e experiências de vários grupos sociais, e implica na busca de soluções econômicas, legais e éticas de atendimento à pessoa idosa, criando a necessidade de estruturação das políticas públicas.

"Para existir proteção social à pessoa idosa é necessário um conjunto articulado de fatores sociais, que atuem de forma multidisciplinar e que envolvam os profissionais dos sistemas de justiça, direitos humanos, segurança pública, saúde, assistência social, grupos organizados de pessoas idosas e o poder legislativo o que possibilita além da implantação, o amplo acesso da população a essas políticas", explicou.

A coordenadora estadual das Políticas de Atenção à Pessoa Idosa disse que o Plano Decenal dos Direitos Humanos de Pessoas Idosas do Rio Grande do Sul tem a proposta de implementar ferramentas adequadas e medidas concretas que favoreçam a promoção da inclusão da pessoa idosa na sociedade e propõe uma mudança estratégica para os próximos dez anos.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895