Fepam vai suspender licenças e aplicar multa a duas arrozeiras por descarte irregular no rio Gravataí

Fepam vai suspender licenças e aplicar multa a duas arrozeiras por descarte irregular no rio Gravataí

Valor chega a pelo menos R$ 5 mil e pode aumentar se houver descumprimento

Bibiana Dihl | Rádio Guaíba

publicidade

Duas arrozeiras que faziam descarte irregular de água devolvida ao rio Gravataí, na região Metropolitana, receberão multa de pelo menos R$ 5 mil da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). A multa pode aumentar, dependendo do descumprimento. De acordo com a Fepam, a suspensão das licenças das duas também entra em vigor nesta sexta. 

Moradores de 48 bairros da cidade tiveram problemas no abastecimento durante quatro dias devido ao descarte de água com barro, o que provoca turbidez e baixa o nível do rio, prejudicando a captação. A situação já foi normalizada, segundo a Corsan.

A presidente da Fepam e secretária do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, relata que, das quatro arrozeiras suspeitas de fazer o descarte irregular, duas não apareceram na reunião para serem notificadas, nesta quinta-feira, e por isso receberão as sanções. Uma terceira informou que a área onde há descarte não pertence a ela, e, por isso, uma vistoria vai ser feita amanhã pela Brigada Militar. Com uma quarta arrozeira, foi firmado um acordo, com uma solução de engenharia, que a ser colocada em prática a partir da próxima segunda-feira. O descarte de água turva, no entanto, já foi suspenso.

Quando há chuva, a atividade irregular não causa problemas. No entanto, em períodos em que há seca, o nível do rio baixa. O procedimento correto é criar uma bacia de decantação, para que a água turva não seja despejada toda de uma vez, ou recircular a água dentro da propriedade, sem devolvê-la para o rio. A água descartada também contém impurezas, como agrotóxicos, por exemplo.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895