Hospitais administram desabastecimento com dificuldades em Porto Alegre

Hospitais administram desabastecimento com dificuldades em Porto Alegre

Hospital de Clínicas suspendeu as cirurgias de transplantes devido à greve

Correio do Povo

Santa Casa de Porto Alegre mantém continua realizando cirurgias eletivas

publicidade

O desabastecimento criado pela greve dos caminhoneiros no setor da saúde levou o Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) a suspender os transplantes. A informação foi comunicada nesta segunda-feira pela instituição à Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do RS (Fehosul) que monitora a situação nas instituições e aponta quadro de administração da escassez, com preocupação.

A gestão dos poucos insumos disponíveis não conseguirá evitar a falta em muitos hospitais se a greve durar mais dois dias. Na madrugada de quinta para sexta-feira ocorreu entrega de oxigênio no HCPA, que garante abastecimento da instituição por mais cinco ou seis dias. Mas o hospital pede doação de sangue de todos os tipos, já que o estoque diminuiu muito desde o início da greve dos motoristas.

Em média, o HCPA recebe cerca de 40 doações por dia. Com a greve dos caminheiros, o número caiu para apenas cinco. Com os estoques baixos, cirurgias e outros procedimentos médicos são prejudicados.

Por conta do desabastecimento de alguns medicamentos e insumos, o HCPA cancelou nesta segunda-feira todas as cirurgias eletivas por 48h, para poder seguir realizando as de urgência. Pacientes que não estão conseguindo chegar para consultas agendadas terão atendimento remarcado.

O Grupo Hospitalar Conceição (GHC) suspendeu as cirurgias eletivas de segunda e desta terça-feira. A instituição afirma que irá manter procedimentos eletivos de pacientes já internados. O Conceição mantém suspensas as cirurgias de pacientes não internados, exceto casos oncológicos.

O GHC afirmou que até quarta estão garantidos oxigênio, medicamentos, insumos, gás, combustível e serviço de lavanderia.

Situação sob controle na Santa Casa

A Santa Casa de Porto Alegre manteve as operações normalizadas, realizando cirurgias eletivas. Nesta segunda, a instituição conseguiu garantir insumos e medicamentos. Há gás e combustível até quarta-feira. O hospital realizou, até o momento, os procedimentos eletivos normalmente. Não há previsão de falta de oxigênio, alimentos e serviço de lavanderia.

No Hospital Mãe de Deus estão sendo mantidos os estoques regulares. A instituição tem uma agenda: até dia 1º de junho o serviço de lavanderia está garantido; alimentos, até o dia 2 de junho; insumos, até o dia 3 de junho; oxigênio, até o dia 4 de junho; e medicamentos estão garantidos até o dia 6 de junho.

O Hospital São Lucas da PUCRS tem suprimentos para os próximos dias, mas suspendeu cirurgias eletivas até a normalização. Os pacientes já internados para cirurgia eletiva terão o procedimento realizado. Os prazos do São Lucas são os seguintes: alimentos e combustível garantidos até quarta-feira; medicamentos, até quinta-feira; e insumos, até 2 de junho. Não há previsão de falta de oxigênio, gás e serviço de lavanderia.

Controle sobre estoques

O Hospital Moinhos de Vento informou ter adotado rígido controle sobre todos os estoques, mantendo a normalidade das operações hospitalares. Ontem, o hospital informou que as cirurgias eletivas estão mantidas por enquanto.

Em Porto Alegre, a CliniOnco ainda não registrou problemas quanto a material e insumos. Porém, se persistir a greve a situação poderá mudar. Pacientes também estão reclamando da dificuldade de se deslocar até a clínica.

Estoque disponível por uma semana 

O Hospital Divina Providência acredita que os estoques disponíveis garantem a normalidade por mais uma semana. Relatou que mantém sua organização cirúrgica, inclusive para cirurgias eletivas, com reavaliação periódica especialmente em relação as alternativas de transporte dos colaboradores.

Conforme a avaliação da Fehosul, a situação segue normalizada no Instituto de Cardiologia. No Hospital Banco de Olhos, as cirurgias eletivas foram canceladas momentaneamente nesta segunda-feira.

No Hospital da Brigada foram suspensos as cirurgias e procedimentos eletivos agendados. Já no Hospital Ernesto Dornelles estimou todos os serviços foram prestados sem contratempos importantes até esta segunda.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895