Hospital de Clínicas pede R$ 47 milhões para equipar e montar leitos para casos de coronavírus

Hospital de Clínicas pede R$ 47 milhões para equipar e montar leitos para casos de coronavírus

Instituição falou da necessidade de contratação de 775 profissionais ao secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis

Cláudio Isaías

Secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, que visitou as instalações dos novos blocos B e C do Hospital de Clínicas

publicidade

O Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) necessita de R$ 47 milhões para equipar e montar os 105 leitos da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) para o atendimento dos casos de coronavírus. Além disso, existe a necessidade de contratação de 775 profissionais, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas e farmacêuticos. Os pedidos foram feitos neste sábado pela diretora-presidente do HCPA, Nadine Clausell, e entregues em documento ao secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, que visitou as instalações dos novos blocos B e C da instituição de saúde. 

"São recursos necessários para a aquisição de equipamentos e vamos precisar do apoio do Ministério da Saúde para a contratação de pessoal", ressaltou a médica. Ela pediu a intervenção de Gabbardo junto ao secretário Salim Mattar, da Secretaria de Desestatização, com relação ao quadro de pessoal. "Não temos condições de tocar um projeto desses sem funcionários. Para fazer funcionar os 105 leitos de UTI, o Hospital de Clínicas precisará de 775 profissionais. A enfermagem responde por 348 técnicos de enfermagem e 116 enfermeiros", ressaltou.

De acordo com Nadine Clausell, a instituição de saúde está desde outubro de 2015 sem nenhuma nova contratação e o hospital crescendo e produzindo pesquisas. A diretora-presidente do HCPA disse que uma unidade como a UTI necessita também de fonoaudiólogos, fisioterapeutas e farmacêuticos. Ela entregou um documento com as reivindicações ao secretário-executivo do Ministério da Saúde. Gabbardo disse que o Hospital de Clínicas deve ser equipado independentemente do surto coronavírus.

"Os equipamentos deveriam ser comprados para a inauguração que vai ocorrer nos próximos meses. No entanto, estamos pensando em antecipar a aquisição dos equipamentos. Queremos deixar o hospital pronto para o surto de coronavírus. Caso isso não ocorra o surto no Brasil, o hospital estará pronto para o atendimento geral", acrescentou. O Clínicas foi apontado pelo Ministério da Saúde, como um dos locais - junto com o Hospital Conceição e e Universitário de Canoas - aptos para atender possíveis pacientes diagnosticados com o novo coronavírus no Estado. No entanto, não há equipamentos necessários para funcionar e ainda não têm as licenças, como Habite-se e PPCI, para operar.


Gabbardo disse que o Hospital de Clínicas deve ser equipado independentemente do surto coronavírus       Foto: Guilherme Testa

“Esse levantamento de equipamentos para dois andares de CTI, 105 leitos, prevê adquirir equipamentos de alta complexidade por meio de licitação, que é como o Clínicas compra. A forma é muito menor do que o Ministério da Saúde poderia fazer e certamente não considerando a forma de contratação de mil leitos de montagem, contratando uma empresa. Isso seria receber um valor, seja do Ministério da Saúde, Educação ou outra verba, e poder adquirir", explicou Nadine Clausell. Conforme Gabbardo, “o edital do Ministério da Saúde é para aquisição de leitos em hospitais de referência, em blocos de 10 leitos e que serão liberados a medida da necessidade.

O Hospital de Clínicas está empenhado na busca de recursos federais para garantir a qualidade dos serviços e equipar os novos blocos. Para isso, diferentes frentes de ações estão em prática. Nos dias 19 e 20 de fevereiro, a assessora adjunta da Diretora Administrativa Ana Paula Coutinho esteve na Câmara dos Deputados em reuniões nos gabinetes dos 31 parlamentares gaúchos. Foi apresentado aos deputados e assessores técnicos os números orçamentários do hospital, a estrutura dos novos blocos e dados referentes à produção assistencial, ensino e pesquisa.

O contato teve o objetivo de contribuir com a captação de verbas através de emendas, mecanismo que ainda não era utilizado pelo HCPA. Como resultado da primeira fase desta ação, o hospital recebeu indicação de R$ 1,1 milhão em emendas individuais dos deputados Bibo Nunes (R$ 650 mil), Marcel Van Hattem (R$ 300 mil) e Afonso Motta (R$ 150 mil). O hospital busca estruturar uma emenda de bancada para o orçamento 2021, quando os deputados de todos os partidos definem prioridades para o envio de verbas. Esta indicação deve acontecer no final de outubro.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895