Litoral Norte registra 18 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas

Litoral Norte registra 18 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas

Continuidade das restrições na região depende da reunião da Amlinorte com governador nesta sexta-feira

Sidney de Jesus

Policlínica 24 horas faz atendimento de retaguarda à pacientes com a Covid-19

publicidade

O Litoral Norte registrou 18 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com boletim divulgado pela 18ª Coordenadoria Regional de Saúde, na manhã desta sexta-feira. Os hospitais seguem com alta ocupação de leitos de UTI e clínicos, devido o avanço e agravamento da doença.       

Segundo a Coordenadoria Regional de Saúde, a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Tratamento Intensivo ultrapassou os 100% de sua capacidade, com 102%, e a região possui 41.466 casos confirmados, sendo 528 confirmados em 24 horas. Dos 18 óbitos, três foram notificados em Cidreira, Santo Antônio da Patrulha, Torres e Tramandaí, dois em Imbé e um em Capão da Canoa, Caraá, Osório e Três Cachoeiras. Conforme ainda o boletim, há 5.353 pacientes com a doença ativa e 314 internados, além de 29 pacientes aguardando um leito de UTI e 39 aguardando um leito clínico. 

“Esse é o pior momento da pandemia no país. Aqui em Imbé não temos hospital, mas a Policlínica 24 horas faz um atendimento de retaguarda à pacientes com a Covid-19”, afirmou o secretário da Saúde Imbé, Tierres da Rosa. Ele destacou que foram improvisados 14 leitos no local para atender os pacientes, e que a Policlínica não dispõe de suporte hospitalar e leitos de internação. “Temos  apenas dois respiradores e faltam medicamentos para intubação”, revelou. 

Tierres da Rosa informou, ainda, que quatro pessoas positivadas para Covid-19 ocupam os leitos de retaguarda, sendo que três delas aguardam vagas para internação em hospitais. Ele lembrou também que na última semana foram atendidos 19 pacientes com a doença, e que desde o início da pandemia foram registrados 67 óbitos em Imbé. “As pessoas acabam ficando na Policlínica por ineficiência do Estado, que ainda quer liberar o comércio no momento que tinha que restringir ainda mais”, reclamou. 

De acordo com o secretário da saúde de Capão da Canoa, Josiel Matos, o município conta com 15 leitos de UTI no Hospital Santa Luzia e a capacidade de lotação tem variado entre 120% e 140%. “Tivemos 116 mortes pela Covid-19  até o momento. Chegamos a ter cinco mortes registradas num único dia”, revelou o secretário, que informou que a Unidade de Isolamento - posto que atende somente casos de suspeita de coronavírus - mantém entre 20 a 40 internados em leitos de enfermaria. “Hoje estamos com oito  pacientes cadastrados para leitos de UTI.

A unidade dispõe de cinco respiradores e o máximo de intubados simultâneos foi de quatro pacientes”, enfatizou Josiel Matos, lembrando que não é permitido visitas a pacientes internados pela Covid-19. 

Continuidade das restrições no Litoral Norte depende de reunião com o governador      

As medidas mais restritivas do que as de bandeira preta, determinadas pelo governo do Estado devido o agravamento da pandemia do coronavírus, ainda permanecem sendo cumpridas pelos municípios do Litoral Norte. 

De acordo com o presidente da Associação dos Municípios do Litoral Norte (Amlinorte) e prefeito de Itati, Flori Werb, será realizada uma reunião com o governador do RS, Eduardo Leite,  nesta sexta-feira, para definir a continuidade ou não das medidas.  “A situação continua muito grave. Os números ainda estão em alta. A saúde está se virando como pode  e o comércio incomodando para abrir”, afirmou o Werb, lembrando  que após a reunião com o governador a Amlinorte irá decidir sobre a adesão ou não na cogestão, caso seja confirmado.  

As medidas do governo determinaram o fechamento de todas as atividades econômicas, incluindo supermercados. Farmácias funcionam com sistema de tele-entrega, assim como os restaurantes. Os postos de combustíveis permanecem  abertos, com as lojas de conveniência fechadas. Todas as demais atividades não essenciais devem ser fechadas. Também está proibida a permanência na faixa de areia.

“Estamos seguindo os protocolos de bandeira preta. O comércio não essencial permanece fechado. Temos uma força tarefa, composta pela polícia civil e militar, que fazem a fiscalização para cumprimento do decreto estadual e municipal”, afirmou o secretário da saúde de Capão da Canoa, Josiel Matos. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895