Moinhos Talks debate Covid-19 em pessoas com câncer

Moinhos Talks debate Covid-19 em pessoas com câncer

Segundo o chefe da Oncologia do Moinhos de Vento, a taxa de mortalidade do novo coronavírus entre pacientes com câncer é o dobro dos demais

Por
Christian Bueller

Chefe do Serviço de Oncologia do Moinhos de Vento, Sérgio Roithmann, alertou que a Covid-19 não é passageira


publicidade

Os pacientes oncológicos, ao lado dos que sofrem problemas cardiovasculares, são os que têm piores prognósticos se contraírem o novo coronavírus. O tema foi discutido um na Live Moinhos Talks, realizada pelo Hospital Moinhos de Vento.

“Muita gente diz que estas pessoas, com Covid-19, morreram de câncer. Não: elas morreram de Covid-19, porque esta doença altera a história natural do paciente de câncer”, afirma o chefe do Serviço de Oncologia do hospital, Sérgio Roithmann.

“Se a taxa de mortalidade em pacientes com Covid-19 é de 5% ou 6%, em pacientes com câncer é o dobro”, ressaltou Roithmann, citando dados extraídos de um congresso norte-americano recente.

Entretanto, o médico explica que, pacientes oncológicos em início de tratamento ou com comorbidades não têm o mesmo desfecho. “É uma faixa de pessoas muito heterogêneas. Há jovens ou mais idosos, há hipertensos, cardíacos. Pessoas com câncer de pulmão, em geral, mesmo se tratando, têm piora”, contou o especialista.

O médico alerta que, mesmo que a pandemia passe, a Covid-19 não é passageira. “Enquanto não tivermos vacina, vai ter mais gente se prejudicando por não se tratar do que por se tratar”, enfatiza, se dirigindo àqueles que evitam consultas médicas, mesmo tendo problemas.

Roithmann defende que os pacientes oncológicos não interrompam o tratamento ainda que contraiam a Covid-19. “Cada caso é um caso, claro, mas a regra é que se trate os pacientes assim que for diagnosticado. E continue assim”.

Ele relata que houve uma queda de 25% nas infusões de quimioterapia e um terço nas ocorridas em radioterapia em maio no hospital. “Tratamento, biópsias e cirurgias estão sendo jogadas para depois, mas não sabemos que depois é esse. Haverá um acúmulo no futuro e estas pessoas poderão se prejudicar”, opinou. 

O seminário virtual contou com o presidente do Grupo Oncologia da Rede D’Or, Paulo Hoff, e do diretor médico da OC Precision, rede de laboratórios com foco em diagnósticos oncológicos de alta precisão, Bernardo Garicochea, além da mediação do superintendente médico do Hospital Moinhos de Vento, Luiz Antonio Nasi.