Motoristas de aplicativo realizam protesto em Porto Alegre

Motoristas de aplicativo realizam protesto em Porto Alegre

Categoria realizou uma carreata que saiu do Largo da Epatur e seguiu até a sede da Uber

Cláudio Isaías

Carreata saiu do Largo da Epatur e seguiu até a sede da Uber

publicidade

Um grupo de 30 motoristas do aplicativo da Uber protestou nesta quarta-feira pelas ruas de Porto Alegre. A categoria realizou uma manifestação contra a utilização da ferramenta de cancelamento pela empresa. Segundo Maurício Finardi, um dos organizadores do ato, o repasse financeiro para o motorista está errado em função da alta do preço dos combustíveis que está descontrolada no país. "A maioria dos profissionais está escolhendo o que convém e o que é melhor para cada um. Não vale a pena fazer uma corrida de 11 quilômetros para receber R$ 8,00", ressaltou.

Conforme Finardi, trabalhadores foram cancelados pela empresa na terça-feira, às 18h. De acordo com ele, os motoristas Diamante, Platinum e os condutores com uma margem de 89% de aceitação foram banidos e a empresa não teria dado maiores explicações aos trabalhadores. "Tivemos colegas que foram banidos pela Uber em Porto Alegre, Novo Hamburgo, Sapucaia do Sul, Esteio e Caxias do Sul. Estamos pagando para trabalhar", acrescentou.

Os motoristas realizaram uma carreata que saiu do Largo da Epatur e seguiu até a sede da Uber, na avenida Bagé. No local, os condutores promoveram um buzinaço na frente da empresa. Depois, eles desceram dos veículos que ficarem estacionados na avenida Carlos Gomes, entre as avenidas Bagé e Lajeado, na pista da direita no sentido bairro/Centro. No trajeto, foram escoltados pelos agentes da EPTC e pela Brigada Militar.       

Em nota, a Uber informou que os "motoristas parceiros são profissionais independentes e, assim como os usuários, podem cancelar viagens quando julgarem necessário. Cancelamentos excessivos ou para fins de fraude, porém, representam abuso do recurso e configuram mau uso da plataforma, pois atrapalham o seu funcionamento e prejudicam intencionalmente a experiência dos demais usuários e motoristas. A Uber tem equipes e tecnologias próprias que revisam constantemente as viagens e os cancelamentos para identificar suspeitas de violação ao Código da Comunidade e, caso sejam comprovadas, banir as contas envolvidas".

A empresa afirma ainda que "comportamentos como a prática de cancelar diversas viagens em sequência logo após terem sido aceitas prejudicam negativamente todos que usam a plataforma porque, de um lado, impedem que outros motoristas parceiros gerem renda atendendo as mesmas solicitações de viagens canceladas, e, por outro, deixam os usuários esperando mais tempo ou até desistindo da solicitação.

O abuso no cancelamento de viagens não tem nada a ver com a liberdade do motorista parceiro de recusar solicitações. Na Uber, o motorista é totalmente livre para decidir quais solicitações de viagem aceitar e quais recusar. A conexão entre parceiro e usuário - quando nome, modelo e placa do carro são compartilhados e o usuário recebe a confirmação de que o motorista está a caminho - só ocorre depois do motorista ter conferido as informações da solicitação (tempo, distância, destino etc.) e decidido aceitar a realização da viagem."
 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895