Oposição pedirá a devolução do projeto de privatização da Carris para a prefeitura de Porto Alegre

Oposição pedirá a devolução do projeto de privatização da Carris para a prefeitura de Porto Alegre

Segundo Matheus Gomes, proposta deve ser melhor detalhada

Eduardo Andrejew

publicidade

O protesto dos rodoviários da Carris, iniciado ainda na madrugada desta segunda-feira, tenta fazer com que a privatização da empresa seja evitada. Além disso, a categoria não quer a retirada gradual dos cobradores do transporte público. A proposta da prefeitura de desestatização da Carris ainda não entrou na pauta da Câmara de Vereadores, segundo o vereador Matheus Gomes (PSol). Conforme ele, a oposição fará um pedido à presidência da Casa para que o projeto seja devolvido à administração municipal para ser melhor detalhado. 

Por outro lado, em entrevista à Rádio Guaíba na manhã desta segunda-feira, o prefeito Sebastião Melo deixou claro que não pretende desistir da proposta de privatização da Carris. Na avaliação dele, a desestatização da companhia não representa a piora do transporte público em Porto Alegre. 

Melo revelou que a prefeitura fará um “piloto” da operação dos ônibus sem cobradores em Porto Alegre. Três linhas vão atender desta forma, e os passageiros que optarem por pagar em dinheiro receberão um desconto na tarifa.

Outros consórcios atendem as linhas da Carris na Capital / Foto: Ricardo Giusti 

A manifestação começou a causar alguns para passageiros na cidade. Em alguns pontos da cidade, os coletivos designados para suprir parte das linhas da Carris estão abarrotados de pessoas. Segundo informações da Carris, cerca de 107 mil passageiros são atendidos atualmente pela empresa.

De acordo com o delegado da Comissão de Funcionários da Carris, Marcelo Weber, os veículos que saíram da Carris estão sendo conduzidos por fiscais e não por motoristas. Nas primeiras horas do dia, entre 5h e 6h, ao menos dez carros deixaram a garagem, mas no mesmo horário, normalmente, 40 coletivos já deveriam estar circulando por Porto Alegre. 


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895