Paisagem de Porto Alegre muda em função do novo coronavírus

Paisagem de Porto Alegre muda em função do novo coronavírus

Apesar de exceções, população tem aderido às medidas de prevenção

Henrique Massaro

Rua dos Andradas era deserta no domingo

publicidade

A paisagem de Porto Alegre muda drasticamente à medida que a necessidade de se prevenir do novo coronavírus se torna mais urgente. Assim como ocorre em outras grandes cidades mundo afora, a maior parte da população tem seguido as orientações dos órgãos de saúde e permanecido dentro de casa sempre que possível. Apesar de ainda haver cidadãos que desrespeitam orientações e decretos das autoridades, o fim de semana mostrou uma Capital com seus grandes espaços e áreas verdes vazios. Um dos grandes contrastes podia ser visto na Orla do Guaíba, que, desde que foi revitalizada, no fim de junho de 2018, tem reunido multidões principalmente em dias como este domingo, de sol e céu claro. Mas toda a região era praticamente deserta.

Um dos maiores pontos de lazer do porto-alegrense, orla estava vazia. Foto: Mauro Schaefer

A redução do movimento pode ser percebida na cidade como um todo. Um dos aspectos mais perceptíveis é o trânsito, com grandes avenidas como Cristóvão Colombo, Carlos Gomes e Goethe praticamente sem veículos, fazendo com que o tráfego flua numa tranquilidade atípica para os porto-alegrenses. Na rua dos Andradas, tradicional ponto de comércio e circulação de pessoas, o cenário também era quase deserto. Apesar de alguns comerciantes ainda tentarem abrir suas lojas no sábado, a maioria dos estabelecimentos estava fechado e pouca gente caminhava pelo local.

O movimento só se mantém mesmo em supermercados, onde, no entanto, também é visível a mudança no ambiente. Com a necessidade de prevenção, os hábitos dos consumidores se modificaram drasticamente. Há muitos clientes de máscaras e até mesmo de luvas. Há, ainda, quem evite tocar diretamente nos produtos, utilizando sacolas plásticas para escolher o que levará para casa.

Cidadãos têm tomado diversas iniciativas para pedir que a população fique em casa. Foto: Mauro Schaefer

Mesmo com a maioria da população aderindo ao máximo de prevenção e isolamento nesse momento de crise, ainda há quem ignore a necessidade de evitar locais públicos. Para alertar essas pessoas, algumas iniciativas já surgem na cidade. Em um prédio do Centro Histórico, moradores estenderam uma faixa na janela pedindo: “fiquem em casa, por favor”. Diversas lojas e estabelecimentos também fixaram avisos explicando para os clientes o motivo do fechamento e solicitando que permaneçam em suas casas.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895