Pessoas com autismo ganham cobertura de três especialidades pelo plano de saúde

Pessoas com autismo ganham cobertura de três especialidades pelo plano de saúde

Decisão da ANS é referente a sessões com psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos

Agência Brasil

Planos de saúde deverão cobrir tratamento de pessoas com autismo

publicidade

Os planos de saúde foram obrigados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a oferecer sessões com psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos para pessoas com o Transtorno de Espectro Autista (TEA). A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira e começa a valer a partir de 1º de julho deste ano.

A Resolução Normativa estabelece que "para a cobertura dos procedimentos que envolvam o tratamento/manejo dos beneficiários portadores de transtornos globais do desenvolvimento, incluindo o transtorno do espectro autista, a operadora deverá oferecer atendimento por prestador apto a executar o método ou técnica indicados pelo médico assistente para tratar a doença ou agravo do paciente".

Nessa quinta-feira, a ANS determinou que os planos de saúde devem cobrir três novos procedimentos e quatro medicações. Os procedimentos em questão são terapia com alfacerliponase para lipofuscinose ceroide neuronal tipo 2 (CLN2; com diretriz de utilização); implante intracerebroventricular de bomba de infusão de fármacos; e aplicação de contraceptivo hormonal injetável (com diretriz de utilização).

Transtorno neurológico

O TEA "é um transtorno neurológico caracterizado por um conjunto de alterações do comportamento social, comunicação e linguagem que variam em grau e gravidade. Na maioria dos casos, os transtornos se manifestam nos primeiros cinco anos de vida e persistem na adolescência e idade adulta", explica a Associação Brasileira de Autismo Comportamento e Intervenção (Abraci-DF), instituição filantrópica administrada por um grupo de pais de crianças com autismo.

Veja Também

"O autismo afeta o processamento de informações, alterando a forma como as células nervosas e suas sinapses se conectam e se organizam. Embora algumas pessoas com TEA possam viver de forma independente, nos casos mais severos, elas precisam de atenção e apoio constante ao longo de suas vidas", informa a entidade. 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895