Ponte do Guaíba avança com reassentamento de mais de 340 famílias em Porto Alegre
capa

Ponte do Guaíba avança com reassentamento de mais de 340 famílias em Porto Alegre

Conforme o Dnit, 88% dos serviços estão concluídos e obra deve ser entregue em abril de 2020

Por
Franceli Stefani

Conforme o Dnit, 88% dos serviços estão concluídos e obra deve ser entregue em abril de 2020

publicidade

Pouco a pouco as mais de 1,1 famílias vão deixando suas casas para que o novo traçado da ponte do Guaíba tenha continuidade. No lugar que antes havia as edificações, hoje demolidas, há um canteiro de obras. De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), o programa de reassentamento da construção da nova Ponte do Guaíba realizou, até 1º de outubro, a mudança de 344 famílias afetadas diretamente pela obra. Outras 167 já fizeram acordos e estão com o processo de aquisição dos seus imóveis em andamento. 

Através de nota, o Dnit enalteceu que a obra é uma das prioridades do governo federal e segue dentro do cronograma esperado. Conforme o departamento, 88% dos serviços estão concluídos. Com 12,3 quilômetros de extensão, a estrutura terá investimento total de aproximadamente R$ 786 milhões. Deste montante, já foram disponibilizados pouco mais de R$ 652 milhões. A expectativa da autarquia é concluir os serviços em abril de 2020. No início de outubro, o içamento da última aduela da ponte chamou a atenção pela complexidade do trabalho. 

A atividade exigiu o uso de um equipamento especial para subir a peça pré-moldada de 102 toneladas. Foram 33 minutos até a estrutura chegar ao ponto de instalação e ser conectada à ponte, iniciando a junção dos dois lados da travessia. Na sequência, os operários iniciam a concretagem e construção in loco da última aduela. Esta fase deve levar cerca de 30 dias para ser concluída. 

O departamento não se manifestou sobre a necessidade – ou não – para corrigir um trecho de 200 metros da estrutura, localizado entre a Ilha do Pavão e a Ilha Grande dos Marinheiros, que teria sido erguido abaixo do que era previsto no edital. No mês passado o Ministério Público Federal (MPF) encaminhou um ofício ao Dnit, pedindo as soluções para a área. A reportagem entrou em contato com o MPF, que não retornou a solicitação de informação até o fechamento.