Porto Alegre tem menor volume de internações por Covid-19 em UTIs desde julho

Porto Alegre tem menor volume de internações por Covid-19 em UTIs desde julho

Secretaria Municipal de Saúde registrou 298 pacientes com confirmação do vírus em leitos de UTIs nesta quarta-feira

Por
Felipe Samuel

Secretaria Municipal de Saúde registrou 298 pacientes com confirmação do vírus em leitos de UTIs nesta quarta-feira


publicidade

A tendência de queda nas internações em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) dos hospitais da Capital, por conta do novo coronavírus, se confirmou no começo da noite desta quarta-feira. De acordo com monitoramento da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), os pacientes internados em leitos de UTI confirmados para Covid-19 totalizavam 298, menor número desde 24 de julho, quando foram registrados 295 casos. Outros 29 eram suspeitos da doença. Foi a primeira vez em 54 dias que as internações de pacientes que testaram positivo para Covid-19 ficaram abaixo de 300.

Apesar da redução das internações por Covid-19, a taxa geral de ocupação das UTIs atingiu 86,76%, com 721 pacientes internados de um total de 840 leitos. O Hospital Moinhos de Vento registrava ocupação total dos leitos de UTI. São Lucas, Cardiologia, Cristo Redentor e Femina apresentavam taxa superior a 90%. Apesar da diminuição de casos relacionados à doença, o chefe da Unidade de Gestão do Paciente Crítico do Hospital de Clínicas, Fabiano Nagel, explica que desde o final de semana há variação do número de pacientes, mas que ainda é difícil afirmar se esse quadro vai se consolidar.

Conforme Nagel, mesmo que o número de pacientes críticos em leitos de UTI seja menor do que há 14 dias, ainda é preciso observar as internações dos próximos dias para garantir que se trata de uma queda consolidada. "Com duas semanas inteiras é possível fazer algum tipo de afirmação mais categórica, por enquanto é só um fenômeno", advertiu, lembrando que há duas semanas houve diminuição das internações para, em seguida, voltar a subir as internações. O médico intensivista reforça que a população precisa manter as recomendações das autoridades de saúde.

Ele destaca que um estudo aponta que apenas 1,5% da população tem sorologia positiva para a Covid-19, enquanto que a "quantidade de gente que pode ficar contaminada é enorme". "Se as pessoas começarem a relaxar e acreditar que está tudo resolvido, sem usar máscaras, cumprir afastamento social, aí sim vamos ter o que todos já sabem: aumento de casos de Covid-19", frisou.

Na avaliação de Nagel, as medidas preventivas garantiram um quadro distinto na Capital. "Houve grande aumento do número de leitos, mas estamos batendo em 87% de ocupação. Se não tivéssemos esses leitos teríamos gente morrendo nas UPAs", completou.