Prefeito do Rio de Janeiro descarta carnaval em julho: "sem qualquer sentido"

Prefeito do Rio de Janeiro descarta carnaval em julho: "sem qualquer sentido"

Governador em exercício sancionou uma lei em que o evento pode ser realizado em todos os meses de julho

AE

Paes foi ao Twitter anunciar que a celebração não acontecerá este ano.

publicidade

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), descartou nesta quinta-feira a possibilidade da cidade realizar seu carnaval no próximo mês de julho. O anúncio foi feito nove dias após o governador em exercício do Estado, Cláudio Castro (PSC), sancionar a lei que criou o "CarnaRio - Carnaval fora de época". De acordo com a lei estadual, o evento pode ser realizado em todos os meses de julho.

Fã de carnaval e torcedor assumido da Portela, tradicional agremiação carioca, Paes foi ao Twitter anunciar que a celebração não acontecerá este ano. "Nunca escondi minha paixão pelo carnaval e a visão clara que tenho da importância econômica dessa manifestação cultural para nossa cidade. No entanto, me parece sem qualquer sentido imaginar a essa altura que teremos condições de realizar o carnaval em julho", escreveu o prefeito. 

Na semana passada, tão logo o governo estadual anunciou a possibilidade de se realizar o carnaval em julho, o site da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) passou a divulgar as datas dos desfiles na Marquês de Sapucaí. 

Os desfiles ocorreriam nos dias 11 e 12, com a ressalva de que "a vacinação da população contra a Covid-19 será fundamental para a realização do espetáculo nestas datas". Grupos responsáveis pelos blocos de rua, por sua vez, eram mais céticos quanto a possibilidade de haver qualquer celebração de carnaval em meio à pandemia. 

Além de descartar a realização do carnaval no meio do ano, o prefeito do Rio também anunciou que determinou à Riotur e à secretaria municipal de Cultura que "trabalhem na preparação de editais a fim de permitir que os fazedores dessa grande festa e celebração cultural tenham alguma forma de sustento ao longo de 2021".

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895