Quase 70% dos peritos trabalharam nesta segunda-feira, diz INSS

Quase 70% dos peritos trabalharam nesta segunda-feira, diz INSS

Até as 16h, 5.716 perícias presenciais foram realizadas, número 21% maior do que o registrado na sexta-feira

Agência Brasil

Mais 282 peritos deveriam ter retornado nesta segunda-feira, mas não foram trabalhar

publicidade

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho e o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) afirmaram que 633 peritos médicos federais compareceram aos seus postos de trabalho nas agências da Previdência nesta segunda-feira. O número equivale a 69% dos 915 peritos fora dos grupos de risco para a Covid-19 e aptos para trabalharem.

Em relação a sexta-feira, aumentou em 109 o número de médicos que compareceram às agências. Até as 16h, 5.716 perícias presenciais foram realizadas, contra 4.724 registrados na sexta (+20,9%). Esses atendimentos ocorreram em 189 agências com perícia médica. Mais 282 peritos deveriam ter retornado nesta segunda-feira, mas não foram trabalhar.

Na última quinta-feira, o TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) acolheu pedido da Advocacia-Geral da União e cassou a liminar que suspendia o trabalho presencial nas agências que adotaram padrões menos rígidos de prevenção de contágio. O vice-presidente em exercício do tribunal, desembargador Francisco de Assis Betti, também determinou a volta do corte de ponto dos médicos faltosos.

Agências do INSS foram reabertas para atendimento presencial no último dia 14, após terem ficado fechadas por cerca de seis meses devido à pandemia de covid-19. No entanto, os peritos decidiram não retomar as atividades por considerarem não haver segurança para evitar a disseminação do novo coronavírus. Todas as perícias médicas agendadas foram suspensas até a adequação das agências.

Na semana retrasada, o INSS fez inspeções em agências de atendimento. O órgão concluiu que as salas de perícia liberadas para atendimento cumprem os protocolos sanitários estabelecidos pelo Ministério da Saúde, a fim de garantir a segurança de servidores e cidadãos com relação à pandemia de Covid-19.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895