Surto de Covid-19 impacta poucos motoristas e colaboradores do transporte rodoviário em Porto Alegre

Surto de Covid-19 impacta poucos motoristas e colaboradores do transporte rodoviário em Porto Alegre

Conforme a Veppo, a rotina na Estação Rodoviária segue igual e não há mudanças significativas desde que os casos de Covid-19 voltaram a crescer

André Malinoski

Rotina segue igual na Estação Rodoviária de Porto Alegre

publicidade

Não é surpresa que depois das festas de Natal e Ano-Novo, quando houve mais flexibilização e interação por parte das pessoas, os casos positivos de Covid-19 voltaram a disparar em todo o Rio Grande do Sul e no restante do Brasil. As filas em busca por testes rápidos de detecção em unidades de saúde e farmácias são a prova dessa realidade. Muitos setores começam a sentir os impactos desse crescimento, mesmo que ainda lentamente para alguns, o que se reflete em funcionários afastados em função do novo coronavírus.

Conforme a Veppo, empresa que administra a Estação Rodoviária de Porto Alegre, a rotina segue igual e não há mudanças significativas desde que os casos de Covid-19 voltaram a crescer depois das festas de final de ano. “Para nós, está tudo normal e não houve queda no número de passageiros. Há dois anos, antes do começo da pandemia, tínhamos um número. Depois, com o agravamento da situação, esse número caiu e, em seguida, melhorou um pouco. Operamos em 55% do que era antes da pandemia”, relatou o diretor de operações da Veppo, Giovanni Luigi.

Segundo o dirigente, não há restrições relativas ao número de passageiros que embarcam para viagens intermunicipais ou interestaduais nos ônibus da Estação Rodoviária. Todos os leitos podem ser ocupados, o uso de máscara é obrigatório durante a viagem e há álcool em gel em pontos próximos aos veículos para o público higienizar as mãos.

Veja Também

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários Intermunicipais, Interestaduais, Turismo e Fretamento do RS (Sindirodosul), poucos casos foram relatados até aqui e as empresas estão afastando os motoristas e funcionários para cumprirem o tratamento e o isolamento social quando algum caso aparece. “Não temos números ainda, são poucas baixas pelo que chegou até agora. Graças ao processo de vacinação, o vírus está mais fraco. As empresas que identificam alguém positivado já encaminham o funcionário para casa, porque são muito conscientes do problema. Por enquanto, a situação é tolerável”, avaliou o presidente do Sindirodosul, Irineu Miritz Silva.

Por sua vez, a Associação dos Transportadores Intermunicipais Metropolitanos de Passageiros (ATM) revelou que “no momento, entre os cerca de 1,7 mil trabalhadores da área operacional (motoristas e cobradores) das empresas associadas, constatou-se que cerca de 2,5% estão afastados em função de casos confirmados ou suspeitos de Covid-19.” A situação não impactou nas operações das empresas, que seguem prestando os serviços normalmente.

O avanço da campanha de vacinação no Rio Grande do Sul contribui para que o surto de Covid não tenha atingido até o momento os profissionais do transporte rodoviário e daqueles que trabalham nas viagens diárias da Estação Rodoviária. Até a manhã desta sexta-feira, o Painel do Vacinômetro da Prefeitura de Porto Alegre mostrava que 100% da população da cidade já havia recebido ao menos uma dose da vacina. E mais de 90% das pessoas já estavam com o esquema vacinal completo.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895