"Travamento do país é péssimo para a saúde", diz Mandetta

"Travamento do país é péssimo para a saúde", diz Mandetta

No entanto, ministro afirmou que não irá pedir aos governadores para afrouxarem medidas

AE

Mandetta, no entanto, afirmou que não irá tentar mudar decisão de governadores

publicidade

Em linha com o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que as restrições impostas nos Estados, como fechamento de comércios, são "péssimas" para o setor de saúde. Apesar de afirmar que não irá pedir aos governadores para afrouxarem as medidas, ele disse que alguns estão percebendo que aceleram nas decisões e que será necessário fazer ajustes. 

"Tem médicos fechando consultórios. Daqui a pouco estou lá cuidando de um vírus, mas cadê o pré-natal? Cadê o cara que está fazendo a quimioterapia?. Não dá para chegar e dizer o que é essencial. Se precisar de um mecânico para consertar uma ambulância, ele é o mais essencial naquele momento", disse ao sair do Palácio do Planalto, após conferência com governadores do Centro-Oeste e Sudeste. 

O ministro disse ainda que medidas restritivas, como fechamento de aeroportos e rodovias, podem atrapalhar, por exemplo o funcionamento de fábricas de equipamentos médicos e suprimento de materiais, como máscaras. Segundo o ministro, as ações precisam ser sincronizadas e não devem atender motivações políticas, como ele tem visto em alguns casos. "Tenho visto prefeitos com eleições na frente. Teve um que me ligou e falou que já tinha fechado mercearia, borracharia e açougue. Eu perguntei o porquê e ele me disse que o cara da oposição tinha dito na rádio que, se ele não fechasse, estava errado". 

Sistema de saúde 

Luiz Henrique Mandetta afirmou que a evolução de casos de covid-19, doença transmitida pelo novo coronavírus, está dentro da previsão do governo. Também ressaltou que o País é autossuficiente na produção de cloroquina, medicamento que tem sido usado em casos mais graves, e que alguns países até solicitaram o remédio para o Brasil. 

O ministro também voltou a defender o sigilo dos exames do presidente Jair Bolsonaro. Disse que os resultados cabem ao paciente e ao médico. O Estado pediu, oficialmente, cópia do resultado à Presidência, que ainda não foi enviada.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895