Universal garante refeição a caminhoneiros que só encontram restaurantes fechados
capa

Universal garante refeição a caminhoneiros que só encontram restaurantes fechados

Cerca de nove mil motoristas que enfrentam diversos problemas por conta do coronavírus receberam refeição e kit de higiene

Por
R7

Motoristas receberam refeição e kit de higiene

publicidade

Com muitos postos de serviço e restaurantes de beira de estrada fechados em decorrência da quarentena decretada em vários estados, os caminhoneiros têm encontrado grandes dificuldades até de se alimentar e continuar transportando cargas essenciais para o funcionamento do país. Uma iniciativa da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que a Igreja Universal do Reino de Deus está apoiando, tem ajudado a suprir as necessidades de condutores de caminhão em todo o Brasil. Somente em março, mais de 9 mil motoristas foram beneficiados.

Desde 2016, a classe de caminhoneiros recebe, mensalmente, assistência social do programa social Guardiões da Estrada – mantido pela Igreja Universal. No entanto, com a campanha “Siga em Frente, Caminhoneiro” promovida pela PRF, o auxílio prestado pelo programa passou a se tornar diário desde o último sábado.

Obedecendo todas as recomendações feitas pelo Ministério da Saúde, voluntários dos Guardiões da Estrada realizam, em 150 postos da PRF, doações de marmitas, kits de higiene pessoal, e, em alguns casos, álcool em gel, máscaras e luvas. Os itens são doados pelos voluntários e também pela população em geral que tem se mobilizado para ajudar na causa.

Em nota, a PRF destacou que os caminhoneiros são peças-chave na logística de distribuição de medicamentos e vacinas pelo país. “Com poucos estabelecimentos funcionando durante a quarentena imposta pela prevenção à disseminação do coronavírus, os motoristas de caminhão têm dificuldades em encontrar pontos de apoio para garantir as necessidades básicas de alimentação e higiene”.

Amparo a quem precisa trabalhar

Bruno Barros Nardi, responsável pelo Guardiões da Estrada, relata que nas ações realizadas foi possível observar nos caminhoneiros a preocupação pela falta de cargas e de condições de trabalho.

Ao receberem as doações, os trabalhadores demonstraram “gratidão e alegria, pois muitos estavam literalmente passando fome, devido ao fechamento dos restaurantes nos postos das estradas”.

“Distante de casa há dias, eles estão expostos a perigos e também ao descaso, muitos nessa situação mergulham nos vícios e na depressão, por isso nos empenhamos em ampará-los tanto com as doações como com o apoio emocional”, explica o responsável.