Alemanha pede "mais senso de realidade e pragmatismo" ao Reino Unidos nas negociações com UE

Alemanha pede "mais senso de realidade e pragmatismo" ao Reino Unidos nas negociações com UE

Ministro alemão dos Assuntos Europeus, Michael Roth, lamenta que Londres "tenha se afastado ainda mais da declaração política",

AFP

Além do Brexit, a Presidência alemã do bloco deve levar adiante o acordo sobre o plano de recuperação e o próximo orçamento plurianual da UE

O ministro alemão dos Assuntos Europeus, Michael Roth, pediu ao Reino Unido "mais senso de realidade e pragmatismo" na negociação em curso com a União Europeia (UE) sobre seu futuro relacionamento após o Brexit. "Gostaria de ver mais senso de realidade e pragmatismo por parte dos responsáveis em Londres", disse à AFP, cujo país exerce a presidência rotativa da UE até dezembro.

O funcionário lamenta que Londres "tenha se afastado ainda mais da declaração política", que estabelece as bases para o futuro relacionamento, assim como sua recusa a falar em cooperação diplomática e de segurança. "No mundo pós-coronavírus, que, sem dúvida, será desconfortável no nível geopolítico, é ainda mais importante ter parceiros confiáveis", disse Roth.

Londres defende que já colabora com os europeus e na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). O Reino Unido deixou a UE em 31 de janeiro, embora permaneça no mercado único e na união aduaneira, à espera de fechar com seus 27 ex-sócios sua futura relação comercial. A negociação, cujo prazo termina em 31 de dezembro, encalha nas exigências da UE de garantir condições "justas" de concorrência e acesso dos navios de pesca europeus às águas britânicas.

Além do Brexit, a Presidência alemã do bloco deve levar adiante o acordo sobre o plano de recuperação e o próximo orçamento plurianual da UE, o qual o Parlamento Europeu deve aprovar. Outra questão em discussão é a luta contra a mudança climática, ou a nova política de migração e refúgio. Para o ministro de Assuntos Europeus, esta última deve ser "solidária e humanitária".

 

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895