Chile reduz projeções econômicas por crise social

Chile reduz projeções econômicas por crise social

Após crescimento em setembro, governo chileno espera queda de até 0,5% do PIB no mês de outubro

Por
AFP

Protestos já deixaram vinte mortos em todo o Chile


publicidade

A economia chilena cresceu 3% em setembro em relação ao mesmo mês do ano anterior, completando seu melhor trimestre do ano, mas após a crise social o governo espera uma desaceleração nos números até o final do ano, com uma queda esperada de até 0,5% no mês de outubro. Nesta segunda-feira, o Banco Central divulgou o último dado oficial antes do início dos protestos: o Índice de Atividade Econômica Mensal (Imacec) de setembro, que cresceu 3%, abaixo das expectativas do mercado. Com esse indicador, o terceiro trimestre obteve o melhor desempenho anual, com aumento de 3,3%, consistente com a tendência de alta vivenciada pela economia chilena.

Mas, após duas semanas de enormes manifestações, saques e incêndios que abalam o país, espera-se um final de ano completamente diferente. "O que esperamos para o quarto trimestre é uma situação completamente diferente, como resultado dos eventos que todos conhecemos e que basicamente têm muitas atividades em execução em meia máquina, muitas PME com problemas e que marcarão uma diminuição na atividade econômica", disse o ministro das Finanças, Ignacio Briones, após a divulgação de dados oficiais. Briones assumiu o cargo há uma semana, após a troca de gabinete que o presidente Sebastián Piñera fez como forma de neutralizar a crise. 

Para outubro, o governo espera uma queda de até 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), que encerraria o ano entre 2% e 2,2%, contra uma projeção oficial que estimava até 2,6%, já impactado pela crise global que derrubou o preço internacional do cobre, motor da economia chilena. "Aguardamos no mês de outubro um Imacec entre 0% e -0,5%, que é nossa estimativa preliminar no Ministério das Finanças", afirmou Briones.

Mas outras estimativas são ainda mais pessimistas. Um relatório do Scotiabank corrigiu a expansão do PIB em queda ao longo de 2019, variando entre 1,5% e 1,8%, "explicada pela baixa velocidade na margem, assim como pelos efeitos de eventos recentes em todo o país e uma lenta recuperação da jornada produtiva no restante do ano".

Comércio e turismo

O comércio e o turismo aparecem até os setores mais atingidos pela crise social. Por quase 10 dias, a maioria dos shopping centers de Santiago permaneceu fechada e até hoje a maioria deles opera mais cedo, principalmente devido à redução dos horários dos transportes públicos. O cancelamento da reunião de líderes da APEC e a cúpula global de mudanças climáticas COP-25, que ocorrerá em algumas semanas em Santiago, atinge especialmente o setor de turismo. A menor chegada de estrangeiros - 25 mil delegados eram esperados apenas para a COP-25 - trará prejuízos de cerca de 40 milhões de dólares, segundo a Federação das Empresas de Turismo do Chile, Fedetur.

"O turismo é uma indústria muito sensível e já caiu aproximadamente 50% das reservas nessas duas últimas semanas. E o mais complexo para essa indústria é que não haverá novas reservas até que a situação do país se estabilize", disse neste fim de semana a subsecretária de Turismo, Monica Zalaquett.

A Câmara de Comércio de Santiago (CCS) disse na segunda-feira que 46% das empresas do setor consultadas por elas sofreram danos diretos e todas enfrentaram custos por vendas menores. "Em alguns segmentos, a situação é dramática, afetando sua viabilidade econômica e as fontes de mão-de-obra de seus trabalhadores. Nos últimos dias, as pequenas empresas sofreram novas baixas: em 23 de outubro, as PME do setor pesquisado pela CCS registraram 32% de suas instalações fechadas, um número que subiu para 37% até o final do mês", afirmou a instituição em um relatório.


Em seu último relatório de estabilidade financeira, o Banco Central afirma que nessas duas semanas os sistemas de pagamento "sofreram pequenas interrupções", enquanto o sistema financeiro "manteve a continuidade operacional".