Colômbia pode eleger presidente inclinada pela primeira vez à esquerda

Colômbia pode eleger presidente inclinada pela primeira vez à esquerda

Se as expectativas forem cumpridas, a esquerda alcançará seu melhor resultado eleitoral no país de 50 milhões de habitantes historicamente governado por elites

AFP

Cerca de 39 milhões de colombianos são convocados voluntariamente às urnas

publicidade

De mãos dadas com um senador e ex-guerrilheiro, a esquerda colombiana caminha para liderar o primeiro turno das eleições presidenciais neste domingo, impulsionada pela erosão da direita no poder e pela agitação social que desencadeou uma onda de protestos em massa.

Às 08h00 no horário local (10h00 no horário de Brasília), a autoridade eleitoral declarou abertas as eleições e o presidente Iván Duque, impedido por lei de concorrer à reeleição, votou na praça central de Bolívar, em Bogotá.

"Temos uma das democracias mais antigas deste hemisfério. Temos uma das democracias mais sólidas e se solidifica porque a cada quatro anos fazemos uma transição ordenada", declarou o presidente conservador no início do dia.

O candidato Gustavo Petro, de 62 anos, domina amplamente as intenções de voto em sua terceira tentativa de chegar à presidência, mas tudo indica que não terá margem suficiente para evitar a votação de 19 de junho.

Federico Gutiérrez (47) e Rodolfo Hernández (77), o primeiro candidato de uma coalizão de direita e ligado ao partido governista; o segundo, um forasteiro milionário, emergem como seus prováveis rivais no segundo turno, de acordo com as pesquisas.

Se as expectativas forem cumpridas, a esquerda alcançará seu melhor resultado eleitoral neste país de 50 milhões de habitantes, historicamente governado por elites e assolado pelo narcotráfico e pela violência crescente, apesar do acordo de paz de 2016 com a guerrilha das FARC dissolvida.

Veja Também

Petro, que depôs as armas em 1990 após a desmobilização do M-19, grupo rebelde nacionalista do qual foi membro por 12 anos, encarna a ruptura. "Existem realmente duas opções: ou manter as coisas como estão na Colômbia ou mudar", diz ele.

Sobre o fim dessa campanha polarizada, Gutiérrez alinhou-se ao desejo de reformas: "Vou convocar todos os setores para transformar a Colômbia porque ela precisa de uma mudança, mas essa mudança tem que ser segura".

"Nos últimos quatro anos, a desigualdade e os níveis de pobreza, desacordo e descontentamento se aprofundaram, e Petro é quem sabe ler, interpretar e se conectar com o eleitorado", disse à AFP o analista acadêmico Daniel García-Peña.

Assim, a escolha se define entre a mudança radical proposta por Petro, a moderada proposta por Gutiérrez ou a alternativa de Hernández, que quer acabar com a corrupção que vê por toda parte.

Os três foram prefeitos de Bogotá, Medellín e Bucaramanga, respectivamente. A faixa é completada por três candidatos sem opção, entre eles o centrista Sergio Fajardo, segundo as pesquisas.

Nenhum dos favoritos defende a gestão do conservador Iván Duque, muito impopular para a gestão econômica da pandemia e que enfrentou protestos em massa em 2019 e 2021 liderados por jovens duramente reprimidos pela força pública.

Cerca de 39 milhões de colombianos são convocados voluntariamente às urnas entre 13h00 e 21h00 GMT (10h00 e 18h00 no horário de Brasília).



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895