Costa da Louisiana é evacuada antes da chegada de tempestade tropical

Costa da Louisiana é evacuada antes da chegada de tempestade tropical

Tempestade tropical Barry ameaça se transformar em furacão e atingir Nova Orleans com fortes chuvas e inundações

Por
AFP

Semáforos já estão desligados em Morgan City, um dos locais por onde a tempestade tropical já passou


publicidade

Milhões de habitantes da costa de Louisiana, nos Estados Unidos, se preparavam neste sábado para a chegada da tempestade tropical Barry, que ameaça se transformar em furacão e atingir Nova Orleans com fortes chuvas, ou inundações. As autoridades aumentaram as evacuações de moradores, companhias aéreas cancelaram os voos, e diques foram instalados contra as inundações.

Segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês), a tormenta pode atingir o nível de furacão pouco antes de tocar em terra nesta manhã, próximo à Nova Orleans. O NHC advertiu para o risco de importantes inundações. Para entrar na categoria 1 de furacões, os ventos têm de ser de pelo menos 119 km/h. No último boletim meteorológico, divulgado na madrugada deste sábado, a tempestade já acumulava ventos de 100 km/h. Nessa sexta-feira, milhares de moradores foram evacuados, diante da chegada do Barry, que ameaça se transformar em furacão e provocar chuvas potencialmente devastadoras nesse estado do sul dos Estados Unidos.

Ontem à noite, a tempestade já avançava com ventos de 100 km/h pelo Golfo do México, de acordo com o NHC. Se o prognóstico se cumprir, Barry será o primeiro furacão da temporada no Atlântico, que vai de junho a novembro. Espera-se que seja de categoria 1 na escala Saffir-Simpson (de cinco níveis), com ventos de ao menos 119 km/h.

Dezenas de pessoas se refugiaram no auditório Belle Chasse de Plaquemines, enquanto outros seguiram para casas de parentes, ou de amigos, em áreas mais elevadas. O sistema meteorológico deve provocar de 150 a 250 milímetros de chuvas em uma faixa de 160 quilômetros de largura, com o rio Mississipi ao leste e o Texas ao Oeste, enquanto se espera que as precipitações atinjam até 500 mm quando Barry passar para furacão. Diante da ameaça de inundações, foi declarado estado de emergência nos estados de Louisiana, Mississippi, Alabama, Arkansas e Tennessee, o que permite a liberação de verbas federais. 

A chuva cairá em áreas já afetadas pela cheia desde janeiro e no momento em que o Mississippi atinge um nível histórico. "Será a primeira vez que teremos um furacão enquanto o rio Mississippi está em cheia", disse o governador. Até agora já caíram entre 150 e 200 mm de chuva sobre a cidade de Nova Orleans, provocando inundações. Algumas estradas estão inundadas desde quarta-feira.

Os habitantes colocaram sacos de areia nas portas de suas casas e estabelecimentos comerciais e já trabalham na limpeza e coleta de lixo, auxiliados por equipes especializadas. Foram emitidas ordens de evacuação para a península ao sul de Nova Orleans, e "mais de 300 ônibus estão prontos para levar as pessoas a abrigos", disse Edwards.

O trauma do Katrina  

Louisiana continua traumatizada pela lembrança do devastador furacão Katrina (categoria 5) em agosto de 2005. Os diques que protegiam Nova Orleans sucumbiram então à pressão da água, inundando 80% da cidade e deixando cerca de mil mortos, de um saldo total de mais de 1.800 durante o desastre. Os diques na margem do rio e em Nova Orleans são capazes de aguentar, segundo o governador, enquanto 118 bombas estão instaladas na principal cidade do estado.

De acordo com meteorologistas, os diques estão preparados para suportar uma inundação de 6,10 metros e o rio deve atingir um máximo de 5,79 metros. Para a rede GSCC, que reúne profissionais do clima do mundo todo, porém, "o risco de Barry é diferente do de Katrina: em 2005, cederam os diques da costa e, desta vez, são os diques do rio que estarão à prova".


"A temperatura na superfície da água do Golfo do México está acima da média e provê ao sistema a força para se intensificar", explicou no comunicado da GSCC Jill Trepanier, que estuda os fenômenos climáticos na Universidade de Louisiana. Segundo a especialista, Barry mostra um novo exemplo de mudança climática: "Uma temperatura quente do oceano e uma temperatura do ar superior à média são a receita para intensas chuvas. Todas as condições 'acima da média' são um sinal de mudança climática".