Diretor da AIEA tenta reduzir temores de moradores sobre despejo de água de Fukushima no mar

Diretor da AIEA tenta reduzir temores de moradores sobre despejo de água de Fukushima no mar

Agência nuclear da ONU afirmou na terça-feira que o projeto segue as normas internacionais

AFP

publicidade

O diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, se reuniu nesta quarta-feira com moradores da região japonesa de Fukushima para tentar tranquilizar a população sobre a decisão do governo de despejar no mar a água da central nuclear que sofreu um acidente em 2011.

A AIEA aprovou o plano japonês para despejar, após tratamento adequado, 1,33 milhão de tonelada de água contaminada, armazenada na central afetada pelo terremoto e tsunami de 11 de março de 2011. A agência nuclear da ONU afirmou na terça-feira que o projeto segue as normas internacionais e terá um "impacto insignificante" para a população e o meio ambiente.

O argentino Rafael Grossi repetiu a mensagem nesta quarta-feira em Iwaki, a 60 km da central, onde a inquietação persiste. "Todos os gráficos complexos e as estatísticas são uma coisa, mas a realidade, a realidade das pessoas, a realidade da economia, a realidade do sentimento social e das percepções podem ser diferentes", admitiu aos moradores e autoridades da região.

O tratamento da água elimina a maioria de radioisótopos, com exceção do trítio. Os coordenadores do projeto afirmam que o líquido que será despejado no oceano durante décadas não difere do que é vertido por uma central nuclear convencional.

Países vizinhos, como a China, organizações de defesa do meio ambiente e alguns moradores da região, em particular os pescadores, são contrários ao plano. Grossi defendeu diante dos moradores que o papel da AIEA não é "esconder algo ruim". O plano é uma "prática geral aceita e observada em muitos locais do mundo", afirmou.

Diante dos temores a respeito do plano, o Japão iniciou uma campanha para convencer os céticos antes de iniciar a aplicação do projeto. A central Fukushima Daiichi, onde os núcleos de três reatores se fundiram após o terremoto e tsunsami de 2011, gera 100 mil litros de água contaminada por dia.

A operadora da central, a Tokyo Electric Power (TEPCO), trata e armazena no local a mistura de águas subterrâneas, pluviais e de resfriamento da própria usina. Mas depois de acumular 1,33 milhão de litros cúbicos de água, os depósitos estão praticamente saturados.

Com o problema, a TEPCO e o governo japonês anunciaram o plano - endossado pela AIEA - para despejar no oceano o líquido tratado, diluído com água do mar, por uma tubulação de um quilômetro. Além da AIEA, vários especialistas defenderam a medida anunciada pelo governo nipônico. "É um plano robusto", declarou Tony Hooker, professor associado do Centro de Pesquisa, Educação e Inovação sobre Radiação da Universidade de Adelaide.

"É improvável que se observe um impacto ambiental ou na saúde humana", disse o especialista, ao mesmo tempo que reconheceu o crescente debate sobre a prática de despejar os resíduos no oceano. As alegações sobre o risco da operação "não são baseadas em evidências científicas", concorda Jim Smith, professor de Ciência do Meio Ambiente da Universidade de Portsmouth.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895