Em Teerã, medo do coronavírus esvazia as ruas
capa

Em Teerã, medo do coronavírus esvazia as ruas

Vírus matou 77 pessoas em um total de mais de 2.300 pessoas infectadas

Por
AFP

Irã é o país com mais mortes por Covid-19 depois da China


publicidade

Abatidas depois de vários dias trancadas em casa por medo do novo coronavírus, Chahpar Hachémi e sua filha Parmis finalmente decidiram fazer compras, nas ruas estranhamente vazias de Teerã. Apesar do medo de contrair a doença, Hachémi e sua filha de 13 anos caminharam pela capital iraniana, com Parmis usando a única máscara protetora que a família dispõe. Segundo o balanço oficial atualizado anunciado pelas autoridades, o vírus matou 77 pessoas em um total de mais de 2.300 pessoas infectadas.

O Irã é o país com mais mortes por Covid-19 depois da China. As escolas foram fechadas em todo o país, entre outras medidas tomadas pelas autoridades para conter a propagação do vírus. "É extremamente difícil para nós, mas não posso pegar um táxi ou ônibus, mesmo que meus pés doam", diz Hachémi. "Minha filha estava deprimida em casa, então eu a trouxe às compras para animá-la".

As crianças "não vão mais à escola e têm medo do vírus", acrescentou a dona de casa de 45 anos. Nas proximidades, carros e ônibus circulam em intervalos irregulares na rotatória de Vanak, uma das principais da capital. Há vários dias, os engarrafamentos monstruosos que compõem a vida cotidiana de Teerã desaparecem. A nuvem de poluição que geralmente cobre a cidade de mais de oito milhões de habitantes também diminuiu acentuadamente com a diminuição do tráfego.

Pouco conforto para Pejman, arquiteto de 39 anos, que compartilha seus medos sobre a epidemia. "A doença virou nossas vidas de cabeça para baixo", disse ele à AFP. "Temos medo. Não há máscara ou álcool em gel. As pessoas precisam, mas não conseguem encontrá-lo". As atividades comerciais também estão sofrendo. Colegas de Pejman, suspeitos de estarem infectados, foram forçados a ficar em casa, relata o arquiteto. "Isso teve um efeito ruim nos nossos negócios. Agora eles medem nossa temperatura todas as manhãs antes de entrar no escritório", acrescentou Pejman.

A desaceleração econômica também é palpável nas ruas. Para passar o tempo, os vendedores jogam, os funcionários limpam meticulosamente as portas e janelas dos restaurantes vazios e os taxistas incansavelmente por clientes. Hamid Bayot, que administra um negócio de suco de frutas na rotatória de Vanak, diz que suas vendas caíram 80% desde o anúncio dos primeiros casos de contaminação em 19 de fevereiro.


E isso, apesar das medidas de saúde adotadas pelos comerciantes para tranquilizar os clientes. "Desinfetamos tudo três vezes ao dia, mas as pessoas têm medo e não compram nada de nós", diz Hamid Bayot. "Se continuar, iremos à falência e teremos que fechar nossa loja". Para enganar o tédio dos jovens iranianos, o canal de notícias - geralmente austero - da televisão estatal transmite programas leves, que vão desde a Pantera Cor-de-Rosa até um documentário sobre as filmagens do filme "O Regresso" com o ator americano Leonardo Dicaprio. "Temos que ficar em casa e não fazer nada. Não podemos ver nossos amigos e não estamos mais felizes", lamenta Parmis Hachémi, através da máscara que sua mãe lhe deu.