Estados Unidos em luto homenageiam John McCain

Estados Unidos em luto homenageiam John McCain

Senador republicano pediu expressamente que Trump não comparecesse a seu funeral

AFP

Senador republicano pediu expressamente que Trump não comparecesse a seu funeral

publicidade

As bandeiras foram hasteadas a meio mastro na capital dos Estados Unidos neste domingo, no dia seguinte à morte do senador republicano John McCain, ex-piloto na Guerra do Vietnã e candidato à Casa Branca com uma trajetória política tumultuada, mas homenageado de forma quase unânime. O representante do Arizona morreu no sábado após treze meses de luta contra um câncer cerebral, e um dia após ter abandonado seu tratamento médico. Ele tinha 81 anos e sete filhos, incluindo três de um primeiro casamento.

O programa das cerimônias foi anunciado neste domingo e inclui vários dias de homenagens, tanto no Arizona quanto em Washington.  O caixão do senador será apresentado na quarta-feira em Phoenix, capital do Arizona, estado que o senador representou por mais de 35 anos no Congresso. Um dia depois, haverá um culto em uma igreja batista local.

Depois seu corpo será levado a Washington, onde será apresentado ao público na sexta-feira na rotunda do Capitólio, uma honraria reservada aqueles que marcaram a história dos Estados Unidos, como John F. Kennedy, Ronald Reagan e Rosa Parks. Os funerais de Estado serão realizados no sábado na Catedral Nacional de Washington, ao qual vão comparecer dignatários americanos e estrangeiros.

Os ex-presidentes Barack Obama e George W. Bush, um democrata e um republicano, deverão pronunciar os elogios fúnebres, a seu pedido, de acordo com o Times. Vários meios de comunicação informaram que há vários meses o senador solicitou expressamente que Donald Trump não participasse, sendo representado pelo vice-presidente Mike Pence.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895