Europa começa a dar sinais de que pandemia pode se estabilizar
capa

Europa começa a dar sinais de que pandemia pode se estabilizar

Números de mortos e de contágios na Espanha, Portugal, França e Itália começam a diminuir em comparação com dados das últimas semanas

Por
R7

A Itália, país com o maior número de mortos por coronavírus no mundo, registrou no domingo, a menor taxa de mortos em 24 horas em duas semanas, com 525 óbitos

publicidade

O número de contágios e mortes na Europa por conta do coronavírus está começando a cair, dando sinais de que o continente mais afetado pela doença pode estar começando a se estabilizar.

A Itália, país com o maior número de mortos por coronavírus no mundo, registrou no último domingo, a menor taxa de mortos em 24 horas em duas semanas, com 525 óbitos.

Porém, nesta segunda-feira, o número de vítimas voltou a subir, com 636 novas mortes. O país tem 16.523 mortos, com o norte sendo a região mais afetada.

A Espanha, que passou a Itália em número de casos e é o segundo país com o maior número de enfermos, com 135.032, registrou um aumento diário de 3,2% nesta segunda-feira, a menor taxa registrada desde o começo da pandemia.

O número de mortos no país chegou na marca de 13.055, com 637 novos óbitos em 24 horas, mas a porcentagem também é menor comparada com atualizações das últimas semanas. Ainda assim, o país ocupa o segundo lugar com a maior quantidade de mortes pelo mundo.

A França, quinto país no mundo com o maior número de infectados, registrou nesta segunda um número de mortos menor que no domingo. Nas últimas 24 horas, 357 pessoas morreram, fazendo com que o país passasse a marca de 8 mil vítimas fatais pelo coronavírus. O país tem 70.478 casos confirmados.

O Reino Unido registrou nesta segunda também o menor número de mortos em 24 horas desde o da 31 de março, com 439 óbitos. A taxa representa um número bem abaixo da registrada no final de semana, com o sábado chegando a 708 mortes e o domingo com 621.

Em Portugal, que decretou estado de emergência por conta da pandemia, o número de contágios está caindo e mostra uma desaceleração gradual no número de casos. O país já tem 11.730 pessoas infectadas e 311 mortos.

Em todos eles, as quarentenas totais e isolamentos foram apontados como os motivos por trás das taxas de desaceleração da pandemia, além dos testes massivos para encontrar os doentes e começar os tratamentos contra a doença.