Extremistas árabes são condenados a prisão perpétua por "complô terrorista"
capa

Extremistas árabes são condenados a prisão perpétua por "complô terrorista"

Prisioneiros foram acusados de planejar ataques por todo país

Por
AFP

publicidade

O Tribunal de Segurança Nacional de Abu Dhabi condenou neste domingo 11 membros de um grupo islâmico radical à prisão perpétua por planejar "operações terroristas" nos Emirados Árabes Unidos e estabelecer ali um "califado" inspirado grupo Estado islâmico (EI). Dois membros do mesmo grupo foram condenados a 15 anos de prisão, 13 outros a 10 anos, dois a cinco e seis anos, enquanto sete foram absolvidos, explicou a agência oficial WAM.

A imprensa internacional não foi autorizada a assistir ao julgamento de 41 homens, incluindo quatro estrangeiros, pertencentes ao "grupo terrorista Al Manara", que foi aberto em agosto passado em Abu Dhabi, a capital federal dos EAU. Eles foram acusados de conspirar para atacar alvos diferentes, incluindo hotéis e centros comerciais e de conspirar para derrubar o regime com a intenção de estabelecer um Estado Islâmico nos Emirados Árabes.

Eles também foram acusados de levarem armas para o país do Golfo e ter laços com a Frente Al-Nusra (braço da Al-Qaeda) na Síria, e com o EI. De acordo com a versão online do jornal Khaleej Times, os condenados foram considerados culpados de "conspirar para realizar operações terroristas em todo o país", ter "posse de armas e munições com intenção de cometer ataques" e de ter "contatado e levantado fundos" para o EI e a Frente al-Nusra.

Os Emirados Árabes estão comprometidos desde setembro de 2014 na coalizão liderada pelos Estados Unidos que realiza ataques aéreos na Síria e no Iraque contra o grupo Estado Islâmico. Os ataques atribuídos a extremistas ou pessoas inspiradas por grupos extremistas são extremamente raros nesta monarquia rica em petróleo, que tem uma política de "tolerância zero" vis-à-vis os radicais islâmicos.

Uma mulher dos Emirados foi executada por arma de fogo em julho, após ser condenada à morte pelo assassinato de um professor americano em dezembro de 2014, em Abu Dhabi.