Forças Armadas vão "esvaziar ruas" do Irã contra coronavírus
capa

Forças Armadas vão "esvaziar ruas" do Irã contra coronavírus

Governo promete monitorar país por ciberespaço, telefone e, se necessário, pessoalmente nos próximos dez dias

Por
AFP

Governo promete monitorar país por ciberespaço, telefone e, se necessário, pessoalmente nos próximos dez dias


publicidade

As forças de segurança receberam ordens de "esvaziar as ruas" dentro de 24 horas no Irã para conter a propagação do novo coronavírus, informou nesta sexta-feira o chefe do Estado-Maior, general Mohammad Hossein Baqeri. Uma comissão recém-criada será encarregada de supervisionar a operação para "esvaziar lojas, ruas e estradas", de acordo com uma decisão válida para todo território nacional, disse o general em declaração televisionada. As medidas deverão ser implementadas em 24 horas, acrescentou. 

Com 514 mortos e mais de 11,3 mil pessoas infectadas, o Irã é um dos países mais afetados pela pandemia, atrás da China e da Itália. "Nos próximos dez dias, todo país iraniano será monitorado, através do ciberespaço, ou por telefone e, se necessário, pessoalmente", disse Baqeri. "E os suspeitos de estarem doentes serão identificados".

Essas medidas preventivas, as mais severas no Irã como parte da campanha contra a propagação da doença, entram em vigor depois que o guia supremo, o aiatolá Ali Khamenei, ordenou que as Forças Armadas lutassem contra o novo coronavírus. Em seu último relatório, a República Islâmica do Irã registrou 85 mortes adicionais nesta sexta-feira, o maior balanço diário desde o anúncio oficial das primeiras mortes em 19 de fevereiro.

Segundo o Ministério da Saúde, um total de 514 pessoas morreram em decorrência da doença de um total de 11.364 casos confirmados de infecção no país. Vários deputados, funcionários do governo ou ex-funcionários foram afetados pela doença. Alguns morreram. Ali Akbar Velayati, conselheiro-chefe do guia supremo iraniano, foi colocado em quarentena depois de apresentar "sintomas leves" do novo coronavírus, disseram as autoridades.

Na quinta-feira, o Irã anunciou que solicitou assistência financeira imediata do Fundo Monetário Internacional (FMI), organização multilateral que não lhe empresta dinheiro desde 1962, para combater a nova epidemia de coronavírus. A diretora-executiva do Fundo, Kristina Georgieva, disse que "os países afetados [pela epidemia de COVID-19] receberiam apoio por meio do Instrumento de Financiamento Rápido (IFR)" de sua organização, anunciou no Twitter o ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif.

"Nosso Banco Central pediu acesso" ao IFR do FMI, afirmou Javad, instando a diretoria do órgão a responder a essa solicitação de "maneira responsável". O governador do Banco Central iraniano, Abdolnasser Hemmati, disse que o Irã pediu ao FMI "cerca de US$ 5 bilhões" em ajuda. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou na quarta-feira que o Irã estava "fazendo o possível" para conter a epidemia de COVID-19, mas que o país estava com falta de equipamentos. 

Como prevenir o contágio do coronavírus 

De acordo com recomendações do Ministério da Saúde, há pelo menos cinco medidas que ajudam na prevenção do contágio do novo coronavírus:

• lavar as mãos com água e sabão ou então usar álcool gel.

• cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir.

• evitar aglomerações se estiver doente.

• manter os ambientes bem ventilados.


• não compartilhar objetos pessoais.